O potencial impacto das eleições brasileiras no acordo UE - Mercosul

Desflorestação da Amazónia
Desflorestação da Amazónia Direitos de autor Edmar Barros/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Joao Vitor Da Silva MarquesJoão Peseiro Monteiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O resultado das eleições no Brasil pode influenciar a ratificação do acordo comercial entre a União Europeia e a Mercosul. Questão ambiental está a travar processo.

PUBLICIDADE

As eleições no Brasil podem ter consequências na implementação do acordo entre a União Europeia (UE) e o Mercosul.

Em 2019 os dois blocos assinaram um compromisso comercial tido, na altura, como maior do mundo.

O Mercosul é a quinta maior economia mundial fora da UE, com uma produção anual de 2,2 biliões de euros, e uma população de 260 milhões de pessoas

O conjunto europeu exporta anualmente 45 mil milhões de euros em bens e 23 mil milhões de euros em serviços para o bloco económico da América do Sul.

Para entrar em vigor é preciso que todos os estados membros ratifiquem o acordo. O que ainda não aconteceu.

Pressionada por Paris, Bruxelas quer agora garantias de que a floresta amazónica não será destruída a favor da expansão dos produtores de cereais e gado da América do Sul.

"O governo Macron tem uma posição legítima contra o acordo, em teoria devido a questões ambientais, pelo que estão a ser negociados compromissos ambientais adicionais, mas...

uma vez acordados esses compromissos ambientais e adicionais, não há mais desculpa para não iniciar o processo de ratificação
Jordi Cañas
Deputado Europeu

... neste momento os argumentos agrícolas não foram postos em cima da mesa, nem sequer por França, para impedir o início do processo de ratificação" – explica Jordi Cañas, deputado europeu eleito por Espanha.

Os números do desflorestamento no Brasil aumentaram desde a eleição de Jair Bolsonaro, assim como os cortes orçamentais nas agências federais ligadas ao ambiente.

Duas situações que acabam por estar ligadas, como explica o professor Anthony Pereira, do Kimberly Green Latin American and Caribbean Centre na Florida International University.

"Há uma redução muito significativa na taxa de desflorestação entre 2004 e 2012, que diminuiu cerca de 80%, o que mostra que...

quando há vontade política existe uma infra-estrutura para o Brasil monitorar, dissuadir e travar a taxa de desflorestação
Anthony Pereira
Florida International University

O acordo com o Mercosul fixa metas ambientais a todos os signatários. Muitos países da União Europeia, por exemplo, ainda estão longe dos objetivos em matéria de emissões de dióxido de carbono.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo comercial UE-Mercosul poderá ser ratificado este ano?

Brasileiros escolhem entre Bolsonaro ou Lula em presidenciais com 11 candidatos

Macron no Brasil: presidente francês lança submarino e anuncia investimento de mil milhões de euros