Alemanha reforça apoio a Ucrânia "pelo tempo que for necessário", garante Steinmeier

Presidente da Alemanha, Franl-Walter Steinmeier, e homólogo ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, em Kiev, Ucrânia
Presidente da Alemanha, Franl-Walter Steinmeier, e homólogo ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, em Kiev, Ucrânia Direitos de autor Andrew Kravchenko/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente da Alemanha afirmou em Kiev que país vai continuar a apoiar o esforço de guerra.

PUBLICIDADE

À terceira foi de vez; depois de duas tentativas falhadas o presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, chegou finalmente à Ucrânia. Mas cedo viu os planos da visita serem alterados. Numa deslocação à cidade de Koryukivka, no norte do país, o alarme das sirenes antiaéreas soou e, na iminência de um ataque, toda a comitiva viu-se obrigada a refugiar-se num abrigo subterrâneo.

O momento foi aproveitado para falar com os habitantes locais sobre as dificuldades de um dia a dia em guerra,

Já em Kiev, o presidente alemão, que até já tinha sido desconvidado pelo presidente Volodymyr Zelenskyy por alegadas ligações à Rússia, acabou por se sentar à mesa com o homólogo ucraniano. 

Frente a frente, Steinmeier reforçou o apoio da Alemanha à Ucrânia, através da entrega de sistemas de defesa aérea, numa altura em que as infraestruturas energéticas do país se encontram sob ataque dos mísseis russos.

" Estamos do vosso lado, apoiamos-vos, vamos continuar a apoiar-vos, economicamente, politicamente, militarmente, pelo tempo que for necessário. A Alemanha, senhor presidente, condena as medidas de escalada da Rússia, que incluem a mobilização parcial e a retórica nuclear irresponsável", declarou o chefe de Estado germânico, em conferência de imprensa.

A Ucrânia tem visto os ataques de mísseis russos intensificar-se nos últimos dias, com Moscovo a acusar Kiev de se estar a preparar para lançar a chamada "bomba suja", um dispositivo que combina explosivos convencionais com material radioativo.

As autoridades ucranianas negam e ao lado do Ocidente acusam o Kremlin de querer um pretexto para manter a "agressão russa". A pedido de Kiev, que espera desmentir as acusações russas, uma equipa de peritos da Agência Internacional de Energia Atómica é aguardada na Ucrânia .

Do lado russo, uma explosão no exterior de uma estação de televisão na cidade ocupada Melitopol foi considerada pela Rússia um ataque terrorista.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha: Dresden quer atingir a neutralidade carbónica até 2030

Ucrânia aposta na indústria de defesa nacional enquanto aguarda por mais munições dos aliados

Escassez de mísseis de defesa aérea limita a capacidade da Ucrânia