Rússia reforça armamento na Central Nuclear de Zaporijía

Forças russas militarizaram ainda mais a Central Nuclear de Zaporijía
Forças russas militarizaram ainda mais a Central Nuclear de Zaporijía Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Central sob domínio russo desde o início da guerra na Ucrânia.

PUBLICIDADE

Oficiais ucranianos declararam que as forças russas militarizaram ainda mais a Central Nuclear de Zaporijía, levantando receios de que a maior central atómica da Europa possa vir a ser utilizada como base para disparar em território ucraniano e aumentando os perigos de radiação.

A agência estatal ucraniana de energia nuclear Energoatom informou que as forças russas transferiram vários sistemas de lançamento de rockets Grad, perto do reator número 6 e da zona de armazenamento de combustível da central nuclear.

O Instituto para o estudo da Guerra pronunciou-se sobre imagens anteriores confirmando que as forças russas armazenaram equipamento militar, incluindo munições, porta-aviões blindados, armas anti-aéreas, e outro tipo de armamento no perímetro da central.

A instalação de novo equipamento na Central Nuclear de Zaporijía pode ser uma tentativa terminar com a especulação feita pelos milbloggers (bloggers russos que escrevem sobre a guerra), sobre uma possível retirada russa da central, que o Kremlin negou duas vezes nos últimos 10 dias.

A Energoatom declarou que as forças russas provavelmente planeiam utilizar os sistemas Grad para atacar Nikopol e Marhanets, na região de Dnipropetrovsk - já perto dos alvos diários dos bombardeamentos russos.

A Central Nuclear de Zaporijía tem estado sob domínio russo desde os primeiros dias da guerra.

Embora o risco de desastre nuclear seja reduzido porque todos os seis reatores foram encerrados, os especialistas disseram que ainda é possível a libertação radiações perigosas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Energia nuclear: Entre o receio e o progresso 37 anos depois de Chernobyl

Os primeiros filhos da guerra que dão ânimo e esperança à Ucrânia

Biden promete que pacote de ajuda militar e financeira à Ucrânia chegará "rapidamente"