Irão executa um segundo participante nos protestos

Mão segurando uma corda, num cadafalso, no Irão
Mão segurando uma corda, num cadafalso, no Irão Direitos de autor LEFTERIS PITARAKIS/AP2006
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O regime iraniano executou o jovem Majid Reza Rahnavard, condenado por "Guerra contra Deus", alegadamente por ter morto dois agentes de segurança

PUBLICIDADE

Majid Reza Rahnavard foi o segundo cidadão iraniano a ser executado pelo regime teocrático pelo seu envolvimento nos protestos que têm abalado o país desde setembro.

O jovem, condenado à morte por "Guerra contra deus" foi executado em público, por enforcamento, na cidade de Mashad, no norte do país.

Majid foi acusado de assassinar dois agentes de segurança e de ferir outros quatro, o que alegadamente terá confessado.

Imagens transmitidas pela televisão estatal mostraram um homem a perseguir outro numa esquina de uma rua, depois de o ter apunhalado depois de ter caído contra uma mota estacionada.

O agressor, que a televisão estatal alegava ser Rahnavard, esfaqueou depois outro membro das forças de segurança apressando-se a fugir.

A TV estatal identificou as vítimas como Hossein Zeinalzadeh e Danial Rezazadeh, membros da força paramilitar Basij.

Em conferência de imprensa, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão disse que se tratava de um assunto interno; que a população tem todo o direito de se manifestar, mas que Majid Reza Rahnavard não era um manifestante, mas um rebelde.

Josep Borrell, o chefe da Diplomacia europeia comenta: "Tive uma longa conversa com o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão. Pode imaginar, certamente. Falámos sobre estas execuções. Manifestei a preocupação da União Europeia, a condenação e as sanções que vão ser tomadas hoje".

As execuções desencadearam uma cascata de críticas da comunidade internacional, que parece disposta a endurecer as sanções contra o Irão.

A brutal repressão contra os protestos já matou mais de 400 pessoas no Irão, segundo as organizações de direitos humanos. 18.200 pessoas terão sido detidas.

Na semana passada, foi executado um primeiro detido, Mohsen Shekari, de 23 anos, acusado de ferir com uma faca um miliciano islâmico.

Pelo menos uma dúzia de outras pessoas estão atualmente em risco de execução iminente depois de terem sido condenadas a pairar sobre os protestos nas últimas semanas, advertiram grupos de direitos humanos.

Segundo a Amnistia Internacional, pelo menos 28 pessoas, incluindo três crianças, podem enfrentar a pena de morte em ligação com os protestos a nível nacional.

Mahmood Amiry-Moghaddam, diretor do grupo Iran Human Rights (IHR) com sede em Oslo, instou a uma forte reação internacional "caso contrário", afirma, "estaremos perante execuções diárias de manifestantes". 

A execução de Majidreza Rahnavard, menos de um mês depois de ter alegadamente executado as facadas fatais de dois oficiais de segurança, mostra a rapidez com que o Irão executa agora penas de morte para os detidos em manifestações que o governo espera derrubar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sem véu xadrezistas iranianas desafiam governo islâmico

Irão expulso da Comissão de Mulheres da ONU

Irão executa dissidente irano-sueco