EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Chefe de governo da Polónia critica impasse europeu sobre preço do gás

Chefe de governo da Polónia critica impasse europeu sobre preço do gás
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Efi Koutsokostaeuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

alguns países que têm de lidar com esta crise do ponto de vista dos preços do gás e do petróleo, fazem-no de uma forma muito egoísta", disse à euronews o primeiro-ministro da Polónia, Mateusz Morawiecki.

"Alguns países que têm de lidar com a crise do ponto de vista dos preços do gás e do petróleo, fazem-no de uma forma muito egoísta", afirmou o primeiro-ministro da Polónia, Mateusz Morawiecki, em entrevista à euronews, em Bruxelas.

euronews: "Gostaria de abordar o recente escândalo chamado Qatargate em torno do alegado suborno de funcionários da União Europeia, incluindo uma vice-presidente do Parlamento Europeu. Quando ouviu esta notícia, ficou chocado ? O que pensa de tudo isto?

Mateusz Morawiecki: "Fiquei bastante chocado e tomei conhecimento de alguns detalhes deste caso. Espero que o Estado de direito regresse ao Parlamento Europeu e que todos os comportamentos escandalosos sejam explicados".

A compra de combustíveis alimenta as máquinas de guerra da Rússia, que devem parar o mais rapidamente possível. A Polónia é um dos poucos países que têm sido mais radicais em termos de agravar muito rapidamente os grandes pacotes de sanções
Mateusz Morawiecki, primeiro-ministro da Polónia

euronews: "Enquanto os cidadãos da União Europeia assistem a este drama político, vemos que a União Europeia, após meses de intermináveis conversações, ainda está num impasse quanto à forma de lidar com a crise energética. Os ministros da UE voltaram a não conseguir chegar a um acordo, esta semana. Devemos esperar avanços em breve?"

Mateusz Morawiecki: "Não tenho muitas certezas porque vejo que alguns países que têm de lidar com esta crise do ponto de vista dos preços do gás e do petróleo, fazem-no de uma forma muito egoísta. Eles não vêem a situação na sua globalidade. Não vêem o impacto para a Ucrânia dos recursos naturais e dos preços. A compra de combustíveis alimenta as máquinas de guerra da Rússia, que devem parar o mais rapidamente possível. A Polónia é um dos poucos países que têm sido mais radicais em termos de agravar muito rapidamente os grandes pacotes de sanções, porque, na nossa opinião, quanto mais cedo atingirmos a máquina de guerra russa, mais cedo a paz, a boa paz, estará de volta à Europa".

euronews: "Em relação às negociações sobre os preços do gás, como se pode explicar aos cidadãos confrontados com o aumento das contas de energia, que os líderes europeus não conseguem encontrar uma solução?"

Mateusz Morawiecki: "Exactamente. Há alguns meses, em Abril, Maio e Junho, vários países, incluindo a Polónia, países do Norte, e também a Itália e a Espanha pressionaram a Comissão Europeia. Estávamos a tentar agir de forma a ajudar a resolver o problema. Estávamos a tentar encontrar um denominador comum apropriado, porque sabíamos que o limite do preço do gás deveria ser encontrado algures , a meio caminho entre as nossas expetativas e as expetativas da Alemanha e dos Países Baixos entre outros países. Eles bloquearam esse esforço, teimosamente, o que é para mim bastante preocupante, porque ainda estamos longe de encontrar um compromisso sobre um limite máximo para o preço do gás".

euronews: "A culpa deste impasse é da Alemanha e dos Países Baixos?"

Mateusz Morawiecki: "Não estou a culpar ninguém, estou apenas a sublinhar que a solidariedade a nível europeu significa trabalhar o mais rapidamente possível para ter um denominador comum, mas nem sempre o menor denominador comum".

O único país que precisa de apoio e garantias para a sua soberania e segurança é a Ucrânia.
Mateusz Morawiecki, primeiro-ministro da Polónia

euronews: "A segurança energética do continente está em risco este Inverno e nos próximos Invernos ?"

Mateusz Morawiecki: " “Completamente. A União Europeia é uma potência económica. E podemos ditar as regras. Talvez ditar seja uma palavra demasiado forte, mas, podemos forçar os nossos parceiros. E não me refiro em particular à Rússia. Refiro-me a outros países com os quais podemos ter acordos para a compra de gás, a médio ou longo prazo, a um nível apropriado e não dependentes das flutuações e especulações como as que se registaram em Agosto e em Setembro deste ano".

euronews: "A guerra na Ucrânia está em curso, sem fim à vista. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que o Ocidente devia dar garantias de segurança à Rússia para pôr fim à guerra. É uma opção realista?"

Mateusz Morawiecki: "A Rússia, enquanto superpotência, enfraquecida, mas que possui armamento nuclear e um exército forte, não precisa de qualquer tipo de garantias porque tem as garantias nas suas próprias mãos. O único país que precisa de apoio e garantias para a sua soberania e segurança é a Ucrânia. Por isso penso que a abordagem adequada seria apoiar a Ucrânia através de uma entrega de armas mais forte e ajuda financeira, para que Putin e o Kremlin vejam que estamos seriamente empenhados em apoiar a Ucrânia não só durante este Inverno, mas nos próximos anos".

euronews: "A União Europeia decidiu congelar os fundos europeus para a Hungria por temer que o dinheiro possa favorecer a corrupção. Qual é a sua opinião sobre esta questão?"

Mateusz Morawiecki: "Posso dizer-vos que estou surpreendido e chocado com a corrupção no Parlamento Europeu. É primeira coisa. Penso que os procedimentos no Parlamento Europeu e nas outras instituições deveriam ser revistos em grande escala. No que diz respeito à abordagem da União Europeia à Hungria, tendo em conta que a Hungria tem um governo bastante conservador, isso é uma das razões pelas quais a Hungria é tão atacada. Não sou especialista do ecossistema húngaro. Mas penso que uma parte significativa, se não a totalidade dos ataques, é injustificada".

euronews: "O seu país, a Polónia, também suscita preocupações. Mas não foi tomada qualquer decisão desse tipo. O que tem a dizer aos que afirmam que a UE tem dois pesos e duas medidas?

Mateusz Morawiecki: "Só posso salientar que tanto a Hungria como a Polónia são tratadas de uma forma muito injusta, isso não deveria acontecer".

euronews: "Sente-se visado pela Comissão Europeia?"

Mateusz Morawiecki: Somos alvo da Comissão Europeia constantemente, nos últimos anos porque não eles concordam com a nossa reforma do sistema judicial pós-comunista".

Euronews: "Sente que Bruxelas tem sido mais branda em relação à Polónia após a guerra?"

Mateusz Morawiecki: "Mais branda ? Não, de todo. Vejo que ainda estão a intervir de forma muito brutal para além das suas competências, que não fazem parte dos tratados. E não nos calamos em relação a isso. É por isso que estou muito surpreendido com a abordagem da Comissão nos últimos anos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bill Browder: "Vladimir Putin arruinou o futuro da Rússia durante os próximos 30 anos"

"Crise está a acelerar transição ecológica, o que deverá gerar crescimento", diz diretora do FMI

Milhares de polacos marcharam contra o aborto em Varsóvia