EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Bill Browder: "Vladimir Putin arruinou o futuro da Rússia durante os próximos 30 anos"

Bill Browder: "Vladimir Putin arruinou o futuro da Rússia durante os próximos 30 anos"
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Méabh Mc Mahoneuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O empresário Bill Browder esteve no Parlamento Europeu para debater o uso dos bens confiscados à Rússia para pagar a reconstrução da Ucrânia.

O empresário Bill Browder, crítico do Kremlin e autor de Freezing Order esteve no Parlamento Europeu, em Bruxelas, para debater o uso dos bens russos congelados para reconstruir a Ucrânia, durante o evento Make Russia Pay.

Euronews: "Para quem não o conhece, uma pequena apresentação. É um investidor britânico-americano, chefe da Global Magnitsky Justice Campaign. Um movimento de direitos humanos em homenagem ao seu amigo, o antigo advogado Sergei Magnitsky, assassinado em 2009, aos 37 anos".

Bill Browder: "Tenho levado a cabo uma missão desde que ele foi assassinado há 13 anos, para obter justiça. Isso levou-me a viajar por todo o mundo, a encontrar-me com legisladores para conseguir que fosse aprovada uma lei chamada Magnitsky, que congela os bens e proíbe os vistos das pessoas que o mataram e que fazem coisas similares. A Lei Magnitsky foi aprovada em 35 países, incluindo 27 países da União Europeia. A Lei Magnitsky é um modelo que está agora a ser usado para sancionar oligarcas e outros funcionários do regime de Putin em todo o mundo. Nunca teria imaginado que a Lei Magnitsky teria tanta importância, e que, infelizmente, fosse tão necessária devido ao que Putin tem feito".

Euronews: “Creio que a União Europeia aprovou a lei em 2020. Funciona?”

Bill Browder: "A Europa tem a lei. Os Estados Unidos aprovaram a Lei Magnitsky em 2012. A UE levou mais oito anos para fazê-lo. Há muitas disfunções na União Europeia. É um tipo de organização baseada no menor denominador comum. Por exemplo, a Hungria, recusou essa lei durante muitos anos e por isso não foi possível implementá-la até ultrapassarmos esse obstáculo. A Lei Magnitsky tem sido usada, mas não tanto como devia. A União Europeia continua a ser uma vez uma organização muito baseada no consenso, onde um só país pode vetar uma situação".

Vladimir Putin arruinou o futuro da Rússia durante os próximos 30 anos. O país é agora um Estado pária, um Estado terrorista. Antes de mais, a guerra tem de acabar, depois tem de haver reparações e um governo democrático antes de podermos voltar a olhar para a Rússia do mesmo modo.
Bill Browder, empresário britânico-americano

Euronews: “Os americanos ficam sempre surpreendidos com o tempo necessário para que as coisas aconteçam aqui na União Europeia. Ouvimos recentemente a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometer pôr em cima da mesa uma proposta para confiscar, congelar os bens dos oligarcas russos e usá-los para reconstruir a Ucrânia. Mas a minha pergunta é: será que isso é legalmente possível?”

Bill Browder: "Há dois tipos de bens. Há os bens dos oligarcas e depois há os bens do Estado russo que foram congelados. Os bens do Estado russo ascendem a 350 mil milhões de dólares. Parece-me que a questão dos bens do Estado russo é consensual. Estamos perante um país que cometeu um ato de agressão, um crime de agressão. Penso que é algo que ninguém terá dificuldade em provar. Basta ligar a televisão. Podemos quantificar os danos que os russos causaram à Ucrânia, mais de um bilião de dólares. O estado russo possui 350 mil milhões. Há vários burocratas e outras pessoas que dizem que não podemos usar esses bens, porque isso violaria este ou aquele princípio. Mas, vivemos num mundo em que é necessário adaptar as leis aos tempos de hoje. Putin está a adaptar os crimes, está a criar uma nova era de crimes. E por isso temos de adaptar as leis para que entrem em vigor, de modo a responder à atual situação. Por isso, aqui estamos num órgão legislador do Parlamento Europeu. E não estive só aqui. Já estive no parlamento britânico, no congresso dos EUA e no parlamento canadiano, entre outros. Em todas essas instituições fazem-se leis. Na medida em que existem deficiências legais, penso que a chave para corrigir esses problemas é aprovar uma nova lei para colmatar essa lacuna, para que Putin não possa andar por aí a assassinar ucranianos sem pagar por isso".

Eles querem desesperadamente que eu volte à Rússia porque emitiram vários mandados de captura. Querem trazer-me de volta à Rússia. Eles querem torturar-me e matar-me”.
Bill Browder, empresário britânico-americano

Euronews: "Vladimir Putin, um homem que conhece bem, era seu amigo, e depois tornou-se no seu, "maior inimigo".

Bill Browder: “Nunca fui amigo dele. Nunca me encontrei com Vladimir Putin. Quando ele se tornou presidente, os nossos interesses estavam alinhados porque ele perseguia os oligarcas. Ele próprio acabou por tornar-se no maior oligarca. Depois disso, tornámo-nos arqui-inimigos. E quando passei o Magnitsky Act, ele ficou muito zangado comigo. É inimaginável. Ele persegue-me no mundo inteiro com oito mandados de captura da Interpol, e pedidos de extradição. Até na cimeira de Trump, em Helsinki, em 2018, ele pediu a Trump que me entregasse. Ele está obcecado pela minha pessoa desde a Lei Magnitsky.

Euronews: É por isso que nunca mais poderá voltar a pôr o pé na Rússia".

Bill Browder: “Eles querem desesperadamente que eu volte à Rússia porque emitiram vários mandados de captura. Querem trazer-me de volta à Rússia. Eles querem torturar-me e matar-me”.

Euronews: “Ficou surpreendido quando ele invadiu a Ucrânia?”

Bill Browder: “Fiquei, de facto, surpreendido. Não fiquei surpreendido por ele ter a capacidade de matar ou provocar danos terríveis. Fiquei surpreendido porque Vladimir Putin está numa posição um pouco fraca. O seu país não é uma grande economia. A economia russa é do tamanho do Estado de Nova Iorque. O orçamento militar da Rússia é, mais ou menos, equivalente ao do Reino Unido. E eles roubam ao povo cerca de 80% desse montante. Por isso, nunca pensei que ele quisesse usar a insígnia militar russa completa, dar a cara e fazer tudo o que fez. Tudo o que ele fez antes da invasão foram coisas que podiam ser negadas de forma plausível. Ele enviou indivíduos sem uniformes para a Ucrânia em 2014 e disse que eram apenas turistas. Esses indivíduos envenenaram pessoas em Salisbury e alegaram que estavam apenas a olhar para as catedrais. Esse é o seu estilo habitual de crimes. E algo muito diferente de enviar toda a elite militar russa para um país estrangeiro".

Os oligarcas estão acabados. São uma espécie em perigo de extinção. Não podem abrir contas bancárias em nenhum sítio do mundo. Não podem viajar. Não podem fazer negócios com ninguém.
Bill Browder, empresário britânico-americano

Euronews: “Estamos em Bruxelas, o centro da União Europeia, no Ocidente. A Europa aprovou muitas sanções contra a Rússia. Estão a ter efeito?”

Bill Browder: “As sanções contra a Rússia estão a funcionar, mas há muitos sítios onde a Rússia não foi sancionada até há muito pouco. Até à pouco, eles estavam a ganhar mil milhões de dólares por dia,  graças à venda de petróleo e gás. É ótimo que tenhamos congelado as reservas do banco central, e os ativos dos oligarcas. Mas se eles estão a ganhar mil milhões de dólares por dia e a gastar mil milhões de dólares por dia a matar ucranianos, então essas sanções não estão a resultar. Entretanto, fixou-se um limite para o preço do petróleo russo. Ninguém pode comprar petróleo a um preço superior a 60 dólares por barril. A menos que possam provar que estão a impor esse limite, não é possível assegurar os navios. Por isso, desde há pouco, as exportações russas de petróleo caíram 50%. Vamos ver se isso dura".

Euronews: "Em relação aos oligarcas, aos bilionários, o seu trabalho, no passado, era nomeá-los e envergonhá-los. Acha que as sanções estão a afetar esses oligarcas?"

Bill Browder: "Completamente. Os oligarcas estão acabados. São uma espécie em perigo de extinção. Não podem abrir contas bancárias em nenhum sítio do mundo. Não podem viajar. Não podem fazer negócios com ninguém. Antes, todos os negociantes de jóias curvavam-se perante os oligarcas, porque queria fazer negócio com eles. Faziam-nos sentir que eles eram as pessoas mais importantes do mundo. Agora, esses olicargas são tóxicos, radioativos. Ninguém lhes quer tocar".

Euronews: "Como antevê o futuro da Rússia e o futuro das relações da Rússia com o Ocidente e a Europa?"

Bill Browder: “Penso que Vladimir Putin arruinou o futuro da Rússia durante os próximos 30 anos. O país é agora um Estado pária, um Estado terrorista. Antes de mais, a guerra tem de acabar, depois tem de haver reparações e um governo democrático antes de podermos voltar a olhar para a Rússia do mesmo modo”.

Euronews: “Qual seria a sua mensagem para ele?”

Bill Browder: “Volte atrás antes que o Ocidente e o seu próprio povo o obriguem a recuar”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chefe de governo da Polónia critica impasse europeu sobre preço do gás

Diretor da Agência Internacional de Energia aprova ideia de compra conjunta de energia pela UE

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China