"Não há limites" ao financiamento do Exército russo, diz Putin

Presidente russo reuniu-se com os principais dirigentes do Ministério da Defesa
Presidente russo reuniu-se com os principais dirigentes do Ministério da Defesa Direitos de autor Mikhail Kuravlev/Sputnik
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente russo manifestou-se no mesmo dia em que foi inaugurado um campo de gás na Sibéria para reforçar fornecimentos à China

PUBLICIDADE

Mais prontidão de combate, armas mais modernas e um orçamento ilimitado para financiar o exército russo na na "operação militar especial" na Ucrânia.

Vladimir Putin quer estar a postos, para o que der e vier.O presidente russo reuniu-se, esta quarta-feira, com líderes militares para fazer um balanço das atividades das forças armadas e definir metas em relação ao ano que vem.

Putin manifestou-se numa altura em que o exército russo participa em manobras militares na Bielorrússia e em que navios de guerra russos iniciaram exercícios com a marinha chinesa (entre 21 e 27 de dezembro).

Também levantou a ponta do véu sobre o uso de mísseis hipersónicos pela marinha.

"A partir de janeiro, a fragata Almirante Gorshkov será equipada com o novo míssil hipersónico Zircon, que, repito, não tem equivalente em todo o mundo", sublinhou o presidente russo.

Putin anunciou, igualmente, a instalação de bases navais para apoiar a frota russa em Mariupol e Berdiansk, duas cidades ocupadas no sul da Ucrânia.

Mas a economia também o preocupa. Deixou isso mesmo claro, também hoje, durante o lançamento da exploração do campo de gás Kovykta, na Sibéria, que deverá aumentar as exportações para a China.

"Um novo centro de produção de gás em Irkutsk surge no mapa do país. Estamos a pôr em marcha o único campo de gás condensado de Kovykta, o maior na Sibéria Oriental. As reservas recuperáveis são de 1,8 biliões de metros cúbicos de gás", referiu o chefe de Estado.

Para transportar o gás foi construído um gasoduto de 800 quilómetros, que poderá representar um novo fôlego para a Rússia.

A sofrer o impacto das sanções europeias, Moscovo tem interesse em aumentar entregas para a China.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy discursou perante as duas câmaras do congresso dos EUA

Países Baixos assinam tratado de segurança com Kiev

Putin diz que "ameaças" ocidentais à Rússia terão consequências catastróficas