Lisboa aperta cerco a caos gerado por trotinetes elétricas e Paris ameaça travão

Trotinete elétrica (imagem de arquivo)
Trotinete elétrica (imagem de arquivo) Direitos de autor AFP or licensors
Direitos de autor AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A capital de França também enfrenta problemas idênticos aos verificados na capital portuguesa e está previsto um referendo à proibição de trotinetes elétricas

PUBLICIDADE

São amigas do ambiente e da mobilidade, mas em Lisboa as trotineteselétricas também se tornaram no inimigo número 1 de muitos peões.

O excesso de velocidade ou o abandono no meio da rua, de forma indiscriminada, têm provocado demasiados dissabores e acidentes, deixando muita gente de pé atrás.

"Já houve acidentes. Um deles até com um membro da Academia Sénior de Alvalade, já com uma certa idade. Por causa do atropelamento caiu e partiu um braço. Teve de ser intervencionado e de andar com o braço ao peito. Há aqui alguma preocupação. Não é por causa das trotinetes em si, mas é o seu uso que é pouco regulado", sublinha José Amaral Lopes, presidente da Junta de Freguesia de Alvalade.

A Câmara de Lisboa quer travar a fundo o problema e falta de regulação.

Para isso assinou, recentemente, um acordo com os cinco operadores das trotinetes na cidade: Link, Whoosh, Bolt, Bird e Lime.

Os planos passam, por exemplo, por proibir a circulação a mais de 20 km/h e por criar hotspots na cidade onde será obrigatório estacionar para concluir viagem.

Em entrevista à agência Lusa, Carla Madeira, presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, deixou ressalvas: "é importante que não sejam eliminados os escassos lugares de estacionamento destinados a moradores para locais de estacionamento para trotinetes.”

Também se estabeleceu um limite máximo de veículos em circulação. Será de 1500 por empresa no inverno e de 1750 no verão.

Paris aperta o cerco às trotinetes

Em França, também há quem esteja insatisfeito com as trotinetes abandonadas pela cidade fora.

Está marcado para 2 de abril um referendo para decidir o futuro das mesmas na capital francesa.

Se a proibição vencer será a primeira capital europeia a banir as trotinetes elétricas.

Mas o ministro delegado para os Transportes está a trabalhar antes num plano de regulamentação à escala nacional, com mais controlos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Londres e Paris divergem na mobilidade urbana

Parisienses querem a proibição das trotinetes elétricas alugadas

Polícia francesa expulsa cerca de 30 migrantes de acampamento de Paris