EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Palestinianos suspendem partilha de segurança com Israel e bombardeamentos regressam

Palestinianos responderam à violenta operação israelita de quinta-feira
Palestinianos responderam à violenta operação israelita de quinta-feira Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2022, The AP.
Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2022, The AP.
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Faixa de Gaza volta a ser atingida por bombas israelitas depois do lançamento de roquetes do enclave em resposta à operação violenta que matou 10 pessoas no campo de Jenin. Conselho de segurança da ONU convocado

PUBLICIDADE

A Faixa de Gaza voltou a ser atingida às primeiras horas desta sexta-feira por um bombardeamento israelita, numa alegada resposta ao disparo de roquetes daquele enclave palestiniano, que espoletou a Cúpula de Ferro, o sistema de defesa aéreo israelita e motivou o contra-ataque.

A tensão entre israelitas e palestinianos voltou a agravar-se depois de o Estado hebraico ter realizado quinta-feira uma operação, que descreveu como antiterrorista, no campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordância, da qual resultou a morte de pelo menos 10 pessoas, refere a agência palestiniana Wada, incluindo uma vítima que sucumbiu dos ferimentos já no hospital.

Há ainda notícia de pelo menos 20 feridos.

Em reunião, após a alegada operação antiterrorismo, a Autoridade Palestiniana decidiu suspender de forma unilateral a coordenação que partilhava com Israel para a segurança na região.

Nabil Abu Rudeineh, o porta-voz de Mahmoud Abbas, o Presidente da Autoridade Palestiniana, referiu-se ao "Capítulo VII" da Carta das Nações Unidas para a Palestina como base para "parar as medidas unilaterais".

O representante palestiniano fez ainda saber que a Autoridade vai "pedir de imediato ao Tribunal Penal Internacional para adicionar o processo deste massacre cometido em Jenin pelas forças ocupantes aos outros processos já na posse do TPI."

A pedido da Autoridade Palestiniana, os Emirados Árabes Unidos, o membro árabe no Conselho de Segurança da ONU, pediu uma reunião à porta fechada do organismo. "China e França juntaram-se a esse pedido", revela a representação palestiniana nas Nações Unidas.

Ainda de acordo com a agência Wada, os raides aéreos israelitas desta sexta-feira destruíram um outro campo de refugiados no centro do enclave palestiniano, o de Maghazi, e danificaram várias casas nas redondezas, provocando ainda um corte de energia, que deixou às escuras o centro a Faixa de Gaza.

As Forças de Defesa Israelita (IDF) justificaram a operação de quinta-feira no campo de refugiados de Jenin como medida preventiva para travar um "iminente ataque terrorista" de um grupo jiadista palestiniano.

"Homens armados dispararam fortemente contra os nossos soldados a partir de telhados civis enquanto realizavam a sua importante operação", acrescentaram as IDF, pelas redes sociais, numa publicação ilustrada com o que garantem ser um registo vídeo dos supostos "terroristas" palestinianos a disparar contra os soldados israelitas.

Outras fontes • Wada, Times of Israel, AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israelitas voltam à rua contra reforma do sistema judicial de Netanyahu

Tropas israelitas anunciam que operação de dois dias na Cisjordânia ocupada foi “concluída”

Israel diz ter matado três membros do Hamas num hospital na Cisjordânia