EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Assembleia Geral da ONU aprova resolução que exige retirada russa

Assembleia Geral da ONU
Assembleia Geral da ONU Direitos de autor John Minchillo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor John Minchillo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com 141 votos a favor e 7 contra, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou uma resolução que exige a "retirada imediata" das tropas russas da Ucrânia. Houve 32 abstenções, incluindo da China, Moçambique e de Angola.

PUBLICIDADE

Com 141 votos a favor e 7 contra, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou uma resolução que exige a "retirada imediata" das tropas russas da Ucrânia. Houve 32 abstenções, incluindo da China, Moçambique e de Angola.

"Estamos satisfeitos com o resultado e a mensagem é clara. Não importa o que a Rússia tente e como tente minar a ordem internacional e a coligação de apoio à integridade territorial da Ucrânia, pois vai falhar sempre", foi a reação do ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba.  

Para a diplomacia europeia, é uma vitória. "Do lado russo, os votos contam-se pelos dedos, confirmando que aos olhos do mundo, a agressão contra a Ucrânia tem de parar e tem de parar agora e abrir a porta a uma paz justa, sustentável e abrangente", defendeu o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.  

Mas a Hungria está a impedir, uma vez mais, os 27 de chegar a acordo sobre um novo pacote de sanções contra a Rússia. As conversações devem continuar esta sexta-feira, dia em que se completa o primeiro aniversário da guerra na Ucrânia.

Já os Estados Unidos anunciaram novas sanções contra a Rússia e um novo pacote de ajuda à Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE-América Latina/Caraíbas dialogam sobre escravatura e Ucrânia

Familiares de soldados ucranianos em cativeiro protestam em Kiev

Despesas globais com armas nucleares continuam a aumentar