EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Um ano de guerra na Ucrânia: Zelenskyy lembra "o dia mais longo das nossas vidas"

Volodymyr Zelenskyy, presidente da Ucrânia
Volodymyr Zelenskyy, presidente da Ucrânia Direitos de autor Efrem Lukatsky/AP
Direitos de autor Efrem Lukatsky/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente ucraniano discursou numa cerimónia em Kiev, onde agradeceu aos que ajudaram o país a resistir.

PUBLICIDADE

Volodymyr Zelenskyy chamou-lhe “o dia mais longo das nossas vidas”. E um ano depois da invasão da Rússia, a Ucrânia resiste e ainda acredita na vitória. 24 de fevereiro de 2022, virou uma página na história do país, que esta sexta-feira regista o primeiro aniversário da guerra

A efeméride foi assinalada esta manhã, em Kiev, numa cerimónia onde o presidente ucraniano agradeceu "a todos os que suportaram esse fevereiro e este ano mostrando como a Ucrânia é indomável".

Também nas redes sociais, Zelenskyy fez questão de recordar a resistência da população ao longo dos últimos 12 meses.

"A 24 de Fevereiro, milhões de nós fizeram uma escolha. Não uma bandeira branca, mas a azul e amarela. Não fugindo, mas enfrentando. Resistindo e lutando. Foi um ano de dor, tristeza, fé e união. E este ano, permanecemos invencíveis. Sabemos que 2023 será o ano da nossa vitória!", escreveu o presidente ucraniano no Twitter. 

Ucranianos acreditam na vitória apesar das ameaças

Nas ruas da capital ucraniana, a pesada fatura de um ano de guerra é partilhada por todos.

"Este dia dividiu a vida em antes e depois. Não estive em casa durante um ano, não vi a minha família durante um ano, por isso, para mim, é uma dor terrível", conta uma habitante.

Mas o otimismo parece persistir pelo menos entre alguns, como outra residente, que diz esperar "que não haja um próximo aniversário". "Acredito que este ano vamos acabar com a guerra", acrescenta.

Mas sem um fim do conflito à vista e com a Rússia a pressionar o sul e o leste do país, as autoridades ucranianas temem uma intensificação dos combates nos próximos meses.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acolhimento de refugiados ucranianos na Moldávia um ano depois do início da guerra

Vigílias assinalam primeiro aniversário da guerra na Ucrânia

Rússia captura aldeia na região de Donetsk