EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Zelenskyy: "Não há alternativa à Ucrânia na UE e na NATO"

Zelenskyy discursa por videoconferência na abertura da Conferência de Munique
Zelenskyy discursa por videoconferência na abertura da Conferência de Munique Direitos de autor Michael Probst/AP
Direitos de autor Michael Probst/AP
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente ucraniano discursou na abertura da Conferência de Segurança de Munique.

PUBLICIDADE

Mais apoio à Ucrânia e aceleração no envio de armas: Um sentimento de urgência paira sobre a Conferência de Segurança de Munique, que abriu esta sexta-feira, nas vésperas do primeiro aniversário da invasão russa, com um discurso do Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy.

"Precisamos de velocidade. Velocidade nos acordos, velocidade na entrega e nas decisões para limitar o potencial russo. Não há alternativa à velocidade, porque é da velocidade que a vida depende", disse Zelenskyy na abertura da conferência.

O presidente ucraniano acrescentou: "Não há alternativa à vitória ucraniana. Não há alternativa à Ucrânia na União Europeia e não há alternativa à Ucrânia na NATO".

Não há alternativa à Ucrânia na União Europeia e não há alternativa à Ucrânia na NATO.
Volodymyr Zelenskyy
Presidente da Ucrânia

O Chanceler alemão Olaf Scholz, por seu lado, apelou aos aliados para agirem com cautela em relação à Rússia, uma potência nuclear, e para se coordenarem, porque esta guerra, nas suas próprias palavras, é "perigosa", Instou os países com tanques Leopard 2 a enviá-los para a Ucrânia o mais rapidamente possível.

A China é o outro grande foco de atenção nesta conferência de Munique, que reuniu líderes mundiais de todo o mundo. Entre eles, os principais líderes europeus, bem como a vice-presidente norte-americana Kamala Harris e o Secretário-Geral da NATO Jens Stoltenberg.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ucrânia fez progressos que ninguém esperava"

"China não vai desempenhar papel na guerra da Ucrânia", diz perito

Três alemães detidos por suspeitas de espiarem para a China