A mudança na estratégia de dissuasão da NATO

A Rússia passou a ser considerada a "ameaça mais direta e significativa à segurança dos aliados"
A Rússia passou a ser considerada a "ameaça mais direta e significativa à segurança dos aliados" Direitos de autor Andreea Alexandru/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Andreea Alexandru/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Julien PavyEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A evolução no seio dos países da Aliança Atlântica segue agora ao passo da guerra na Ucrânia

PUBLICIDADE

Os conflitos mundiais e a guerra fria desenharam na NATO uma estratégia de dissuasão que está a alterar-se substancialmente. A evolução no seio dos países que a compõem segue agora ao passo da guerra na Ucrânia. A verdade é que onde antes a Aliança Atlântica mantinha unidades militares limitadas, do Báltico ao mar Negro, estão agora batalhões cada vez mais reforçados e armamento cada vez mais destrutivo.

Nas recentes eleições na Estónia, por exemplo, a ameaça russa e o fornecimento de armas a Kiev tornaram-se no tema central da campanha. A exposição dos países bálticos à Rússia é mitigada precisamente pela pertença à NATO e ao histórico princípio de que basta um soldado atacado em território da Aliança, para que todos os membros respondam em conjunto e em força.

2014: A Crimeia e o aviso a Moscovo

Após a tomada da Crimeia por Moscovo, em 2014, na cimeira de Newport, no Reino Unido, determinou-se a mobilização de armas e equipamento logístico para a frente leste, sobretudo para os países bálticos. Simultaneamente, foi criada uma força de reação rápida, capaz de mobilizar sete mil soldados no espaço de uma semana.

2016: Mais um passo em Varsóvia

Dois anos mais tarde, na sequência da cimeira de Varsóvia, acelerou-se a criação de batalhões multinacionais nos países-barreira: Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia, Roménia, Eslováquia, Hungria e Bulgária. A mobilização de aviões e navios de guerra terá provocado fortes abalos no Kremlin.

Mas não impediu que, em 2022, os tanques russos avançassem sobre a Ucrânia.

Nova cimeira da NATO, desta vez em Madrid. Aqui, decide-se aumentar a prontidão das forças e a dimensão dos contingentes: 300 mil militares mobilizados.

A Rússia passa a ser expressamente considerada a "ameaça mais direta e significativa à segurança dos aliados", evocando-se "a possibilidade de um ataque à soberania ou integridade territorial". Nesta retórica, a China surge apresentada como um "desafio" em termos de segurança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Drone dos EUA cai no Mar Negro. Washington e Moscovo têm explicações diferentes

Pelo menos 11 mortos e 50 feridos em ataque russo à cidade ucraniana de Chernihiv

Confrontos e detenções em protesto na Geórgia contra lei dos "agentes estrangeiros"