Ucrânia volta a ter sistema de defesa antiaérea Patriot totalmente operacional

Ucrânia bombardeada por forças russas
Ucrânia bombardeada por forças russas Direitos de autor AP/Ukrainian Police Press Office
Direitos de autor AP/Ukrainian Police Press Office
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sistema de defesa antiaérea Patriot da Ucrânia, que a Rússia tinha anunciado ter destruído, está de novo completamente operacional. Secretário-Geral da Nato quer que aliados cheguem a acordo para gastar 2% do PIB em defesa.

PUBLICIDADE

A bateria antiaérea Patriot da Ucrânia está de novo totalmente operacional depois de ter sido reparada, de acordo com o Pentágono.

Na quinta-feira, a Rússia tinha anunciado ter destruído o sistema de defesa antiaérea.

Desde a noite de quarta-feira, a Rússia voltou a lançar várias vagas de ataques contra cidades ucranianas do norte e do sul, incluindo a capital e o porto de Odessa, onde uma pessoa foi morta, numa clara escalada após semanas de alguma calmaria e antes de uma contraofensiva ucraniana muito aguardada.

O Ministério da Defesa russo afirmou ter atingido "com sucesso" todos os alvos designados em ataques noturnos com mísseis de alta precisão, destruindo reservas significativas de armas e munições das forças ucranianas.

Até ao momento, apenas um sistema de defesa aérea Patriot de alta tecnologia foi fornecido à Ucrânia.

Mas os recentes anúncios dos aliados sobre o fornecimento de mísseis de cruzeiro e a formação de pilotos ucranianos para utilizarem caças ocidentais foram bem acolhidos por Jens Stoltenberg.

O secretário-geral da NATO, de visita a Lisboa, disse que espera que os aliados cheguem a acordo sobre um novo compromisso de gastar 2% do PIB na defesa, na próxima cimeira da aliança, em Julho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia diz que reprimiu ataque transfronteiriço

Zelenskyy recebe novo apoio diplomático e militar

Armas nucleares e guerra na Ucrânia na ementa do G7