EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ataque russo à catedral de Kherson provoca vários feridos

Homem olha para edifício do governo, em Kiev, Ucrânia, danificado por ataques de drones
Homem olha para edifício do governo, em Kiev, Ucrânia, danificado por ataques de drones Direitos de autor Jae C. Hong/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Jae C. Hong/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quatro funcionários dos serviços de emergência ficaram feridos. Outras quatro pessoas ficaram feridas durante o primeiro bombardeamento, que atingiu também um trólei.

PUBLICIDADE

Quatro civis e quatro funcionários dos serviços de emergência ficaram feridos num ataque russo a Kherson, que atingiu a Catedral de Santa Catarina.

 O templo famoso por aí repousarem os restos mortais de um célebre comandante russo do século XVIII sofreu danos no interior e no telhado. 

O governador regional acrescentou ainda que "durante a extinção do incêndio, que surgiu na sequência do bombardeamento da igreja, ocorreu um novo ataque: quatro socorristas que estavam a apagar o fogo ficaram feridos, informou o serviço de emergência estatal. Estão a ser assistidos".

A Ucrânia acusa a Rússia de querer destruir o seu património histórico. No mês passado, outro bombardeamento danificou gravemente a maior catedral ortodoxa de Odessa.

Mísseis atingem bairro residencial em Sloviansk

Cinco mísseis caíram durante a noite em Sloviansk, causando danos em telhados e janelas de um bairro residencial, mas sem provocar vítimas. Há semanas que os bombardeamentos noturnos russos são constantes, no contexto de uma contraofensiva ucraniana da qual quase não há progressos visíveis. 

Moscovo diz ter travado "tentativa de ataque terrorista" de Kiev

Os sistemas de defesa aérea russos abateram seis drones ucranianos nos arredores de Moscovo, noticia o jornal "The Moscw Times", com base em informações dadas pelas autoridades militares e regionais russas, esta quinta-feira.

Os aparelhos terão sido intercetados sobre a região de Kaluga, situada a menos de 200 quilómetros a sudoeste de Moscovo e a nordeste da região de Bryansk, que faz fronteira com a Ucrânia e a Bielorrússia.

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou ter frustrado uma "tentativa de ataque terrorista do regime de Kiev", não havendo registo de vítimas ou danos.

Ucrânia abate 15 drones em direção a Kiev

A defesa aérea da Ucrânia abateu cerca de 15 drones de fabrico iraniano que se dirigiam para Kiev, na noite de quarta-feira, anunciou o chefe da administração militar da capital, Sergei Popko.

Moscovo tem vindo a intenificar os ataques à cidade, tendo, na noite anterior, lançado mais de dez drones nos céus da capital, que a defesa ucraniana diz ter abatido. A queda de destroços causou pequenos danos materiais, sem causar feridos.

Já o bombardeamento das intalaçôes portuárias Izmail, no Danúbio, provocou sérios estragos nas infraestruturas, que se tornaram cruciais para a exportação de cereais.

UE acusa Rússia de "usar deliberadamente comida como arma"

Na sequência dos ataques aos portos ucranianos, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, enviou uma carta ao grupo do G20, divulgada esta quarta-feira pela agência Reuters, onde alerta os líderes dos países em desenvolvimento para a "utilização deliberada dos alimentos [por parte da Rússia] como arma para criar novas dependências", explorando "vulnerabilidades económicas e a insegurança alimentar global".

"Enquanto o mundo lida com a interrupção do abastecimento e o aumento dos preços, a Rússia está agora a abordar os países vulneráveis com ofertas bilaterais de transporte de cereais a preços reduzidos, fingindo resolver um problema que ela própria criou", afirmou Borrell.

O alerta da União Europeia (UE) surge depois de, na semana passada, o presidente russo, Vladimir Putin, ter dito aos líderes africanos que a Rússia estava disposta a substituir as exportações de cereais ucranianos para África, tanto numa base comercial, como de ajuda, para cumprir o que disse ser o papel crítico de Moscovo na segurança alimentar global.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques da Rússia e da Ucrânia matam civis

Metsola confiante que negociações de adesão da Ucrânia à UE vão começar antes do final de junho

Lisboa juntou-se a milhares de europeus no apoio à Ucrânia dois anos depois da invasão russa