EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Gripen: O avião de combate sueco que pode fazer a diferença na Ucrânia

A versão E do caça multi-funções sueco Gripen a ser lançada pela SAAB em Linkoping, Suécia, 2016.
A versão E do caça multi-funções sueco Gripen a ser lançada pela SAAB em Linkoping, Suécia, 2016. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Andrew Naughtie, Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os jactos Gripen, reconhecidos internacionalmente, têm capacidades de que a Ucrânia necessita urgentemente na sua contraofensiva contra a Rússia.

PUBLICIDADE

Depois de anos a tentar obter caças F-16 dos EUA e de outros membros da NATO, a Ucrânia poderá em breve ter outra fonte de aviões de guerra modernos.

Segundo relatos na Suécia, o governo do país está a considerar o envio de jactos Gripen fabricados na Suécia para ajudar os ucranianos na sua luta contra a Rússia - acrescentando outra dimensão ao envolvimento nórdico e báltico na guerra.

E mesmo que a adesão da Suécia à NATO ainda dependa da opinião da Hungria e da Turquia, o país está a tentar obter aviões de guerra F-16 dos EUA e a força aérea sueca já está a treinar pilotos ucranianos na sua principal exportação aérea militar.

Numa conferência de imprensa com o Primeiro-Ministro sueco, Ulf Kristersson, em agosto, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chamou ao Gripen "o orgulho da Suécia", afirmando: "acredito firmemente que o Gripen pode tornar a nossa liberdade muito mais segura".

Depois do longo esforço para persuadir os EUA a autorizarem a transferência de F-16 dos seus aliados europeus, a perspetiva de uma entrega mais rápida do Gripen será tentadora para os ucranianos, que estão a lutar contra as posições russas no sudeste do país.

Apesar de décadas de neutralidade militar inabalável, a Suécia passou grande parte da Guerra Fria preocupada com a possibilidade de uma ação soviética na região do Báltico, pelo que desenvolveu uma forte capacidade defensiva, que, por sua vez, a tornou num exportador de equipamento militar.

E o Gripen é um dos seus produtos mais temíveis.

Jonas Ekstromer/AP
Encontro entre o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy e o primeiro-ministro sueco, Ulf KristerssonJonas Ekstromer/AP

Fabricado pelo gigante aeroespacial Saab AB, o Gripen tem algumas vantagens em relação ao F-16, algumas das quais o tornam particularmente adequado para a guerra ucraniana.

Por um lado, foi concebido com o adversário certo em mente. Como explica o grupo de reflexão britânico sobre defesa RUSI, o avião "foi explicitamente concebido para contrariar os SAM [sistemas de mísseis terra-ar] russos e os jactos rápidos, voando muito baixo e tendo um conjunto interno de guerra eletrónica, e para ser fácil de manter e operar a partir de bases dispersas com equipas móveis em veículos".

O Gripen também tem a vantagem de poder descolar e aterrar em pistas danificadas e mesmo em estradas normais, e pode ser totalmente assistido por uma pequena equipa de terra sem necessidade de regressar a uma base aérea bem equipada. De facto, foi especificamente concebido para poder ser lançado muito rapidamente por forças dispersas em ambientes adversos.

Este facto pode ser muito importante para a Ucrânia, cujas bases têm sido duramente atingidas por mísseis e artilharia russos, bem longe da linha da frente. E embora a transferência de F-16 de alguns operadores europeus tenha sido autorizada, a perspetiva de que outro fornecedor possa vir a oferecer um ativo mais versátil é tentadora.

No entanto, grande parte do impacto do Gripen poderá ter a ver com a narrativa e a impressão.

Este verão, uma série de artigos nos meios de comunicação social europeus e americanos citou funcionários ocidentais não identificados - em especial nos EUA - que expressaram a sua preocupação com o facto de a contraofensiva da Ucrânia ainda não ter virado a maré contra a Rússia.

A Ucrânia tem trabalhado arduamente para contrariar essa perceção, em parte explicando de forma cada vez mais clara quais os armamentos que precisa que o Ocidente lhe forneça. Está também a tirar partido dos recentes sucessos contra a Rússia, incluindo um ataque a um navio e a um submarino que transportava mísseis de cruzeiro no porto de Sevastopol.

Embora se vanglorie de que ambos os navios russos parecem ter sido danificados de forma irreparável, o exército ucraniano também confirmou que o ataque foi executado utilizando o Storm Shadow, um sistema de mísseis britânico.

Assim, continua o esforço de Kiev para estabelecer uma linha direta entre as contribuições ocidentais e os grandes golpes contra os militares russos. A obtenção de um dos melhores caças do mundo, de um país que está a aderir à NATO como consequência direta da guerra, reforçaria a impressão de que a Ucrânia tem um apoio firme do Ocidente, por mais difícil que seja a realidade no terreno.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia diz ter abatido bombardeiro russo de longo alcance

Ucrânia à espera de F-16

Ucrânia enterra "ás dos ares", o homem que enfrentou o Ocidente pela entrega de F-16 a Kiev