EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Macron quer combate coordenado ao Hamas, líder da Autoridade palestiniana lança acusações a Israel

Presidente francês e o Primeiro-ministro israelita
Presidente francês e o Primeiro-ministro israelita Direitos de autor Christophe Ena/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Christophe Ena/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente francês, Emmanuel Macron, propôs que a coligação internacional que luta contra o ISIS, no Iraque e na Síria, combata o Hamas.

PUBLICIDADE

O presidente francês, Emmanuel Macron, propôs que a coligação internacional que luta contra o ISIS no Iraque e na Síria combata o Hamas, organização considerada terrorista pela União Europeia e pelos EUA. Um anúncio feito durante a sua visita a Israel, onde apelou a um “relançamento decisivo” do processo de paz no Médio Oriente.

Macron foi o último de uma série de líderes ocidentais a manifestar apoio à resposta de Israel ao ataque do Hamas.

Depois de Israel, o chefe de Estado francês encontrou-se, em Ramallah, com o líder da Autoridade Palestiniana. Mahmoud Abbas condenou os assassinatos “bárbaros” de civis em Gaza, apontando o dedo a Israel, e denunciava os países que “encorajam” esta "agressão".

Os responsáveis também são os países (...) que encorajaram as autoridades de ocupação a continuarem os seus atos de agressão contra os palestinianos, sem sanções e sem que sejam responsabilizadas.
Mahmoud Abbas
Líder da Autoridade Palestiniana

Joe Biden conversou, por telefone, com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, e discutiu “os esforços diplomáticos e militares em curso para dissuadir atores estatais e não estatais de ampliar o conflito entre Israel e o Hamas”.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, tinha alertado o Irão para evitar ataques que poderão agravar a guerra. 

Os EUA temem que a escalada da tensão possa desencadear um conflito mais amplo na região, incluindo ataques às suas tropas ali destacadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron no Cazaquistão para reforçar laços

Macron encontra-se com famílias das vítimas do Hamas em Israel

Inteligência Artificial ajuda a identificar cancro de origem desconhecida