António Guterres queixa-se que nenhum lugar é seguro na Faixa de Gaza

Ataque a escola provocou 15 mortos
Ataque a escola provocou 15 mortos Direitos de autor Hussein Malla/Copyright 2023 The AP. All right reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ataque de sábado a um abrigo das Nações Unidas provocou 15 mortes, de acordo com o ministério da Saúde de Gaza

PUBLICIDADE

"Nenhum lugar é seguro." O lamento é de António Guterres perante os bombardeamentos incessantes de Israel na Faixa de Gaza e que não poupam hospitais nem abrigos das Nações Unidas, mas Israel insiste que apenas ataca alvos do Hamas.

De acordo com o ministério da Saúde de Gaza, o ataque deste sábado a uma escola provocou 15 mortes e 70 feridos, os primeiros relatos tinham dado conta de 20 vítimas mortais. Nenhum dos números foi confirmado por fonte independente.

Além das baixas civis, os ataques também não pouparam os reféns feitos pela organização palestiniana após o ataque de 7 de outubro. Segundo um comunicado das Brigadas Al Qasam, os bombardeamentos de Israel provocaram o desaparecimento de mais de 60 prisioneiros israelitas desde o início da guerra e estando ainda 23 reféns presos debaixo dos escombros.

Israel insiste que a população civil se deve deslocar para o sul do território para estar em segurança e abriu um corredor humanitário de três horas, no entanto, de acordo com as Forças Armadas israelitas, o mesmo foi atacado pelo Hamas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 10 mil mortos em um mês na Faixa de Gaza

UE dá mais 25 milhões de euros de ajuda humanitária para a Faixa da Gaza

EUA garantem continuação do apoio a Israel apesar das mortes de civis