Ucrânia pede mais artilharia para enfrentar a Rússia

Guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro da Defesa ucraniano participou numa videoconferência com o homólogo francês, no lançamento em Paris de uma "coligação de artilharia" contra a Rússia.

PUBLICIDADE

Com a invasão russa quase a entrar no terceiro ano e após o fracasso da ofensiva ucraniana, os aliados de Kiev reforçam a mobilização.

França acaba de anunciar a criação de uma coligação para garantir o apoio militar à Ucrânia. Além disso, anunciou mais entregas do seu sistema de artilharia Caesar e acelerou o fabrico de armas.

Há dois dias, o presidente francês anunciou planos para entregar mísseis e bombas à Ucrânia. "Não podemos deixar a Rússia vencer", disse Emmanuel Macron.

O ministro da Defesa ucraniano cancelou a sua visita a França, prevista para esta quinta-feira, por "razões de segurança". Durante uma videoconferência com o homólogo francês, Rustem Umerov pediu mais artilharia.

"A realidade desta guerra é que a Rússia está a ultrapassar-nos significativamente em número nos ataques diários de artilharia. (...) A falta de munições, a falta de cartuchos, é um problema muito real e premente que as nossas forças armadas enfrentam atualmente. Temos de encontrar uma forma de o resolver em conjunto. Aumentar a nossa capacidade de artilharia aumentará a nossa segurança", disse Rustem Umerov,

Por seu lado, o ministro francês da Defesa, Sebastien Lecornu, defendeu a ligação direta entre "as indústrias de defesa norte-americanas e europeias e o exército ucraniano".

A partir do final deste mês, a França fornecerá à Ucrânia 3.000 cartuchos por mês para os seus canhões de 155 mm, em vez dos 1.000 cartuchos anunciados em abril de 2023, disse Lecornu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pentágono já não tem dinheiro para ajudar a Ucrânia

Forças ucranianas recorrem cada vez mais à rádio para obter informações dos inimigos

Mobile World Congress com Inteligência Artificial em destaque deve levar 100 mil pessoas a Barcelona