EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Genocídio no Ruanda foi há 30 anos

Paul Kagame na cerimónia do aniversário do genocídio no Ruanda
Paul Kagame na cerimónia do aniversário do genocídio no Ruanda Direitos de autor Brian Inganga/AP
Direitos de autor Brian Inganga/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Vários líderes mundiais, incluindo Charles Michel, assinalaram o 30º aniversário do genocídio da minoria étnica Tutsi no Ruanda.

PUBLICIDADE

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, admitiu a responsabilidade por parte da comunidade internacional - que permaneceu imóvel e fechou os olhos - neste momento negro da história daquele país africano, bem como da humanidade.

"O dever de recordar é, antes de mais, uma exigência. Trata-se de recordar, trata-se de não esquecer. Trata-se de aprender com os nossos erros, para tentar abrir um mundo mais esclarecido", afirmou Michel.

Enquanto a presidente da Comissão Europeia disse na rede social X que o progresso do país desde aquele momento trágico tem sido "um exemplo para o mundo".

O Presidente francês Emmanuel Macron, que não esteve presente nas cerimónias, também reiterou no domingo que a França, os seus aliados ocidentais e africanos "podiam ter evitado" o massacre, que matou cerca de 800 mil pessoas, sublinhando que faltou "vontade".

Os ruandeses estão a comemorar os 30 anos do genocídio em que cerca de 800.000 pessoas foram mortas por extremistas apoiados pelo governo, destruindo o pequeno país da África Oriental que continua a debater-se com o terrível legado dos massacres.

O Ruanda registou um forte crescimento económico nos anos que se seguiram, mas as cicatrizes permanecem e há dúvidas sobre se foi alcançada uma verdadeira reconciliação durante o longo mandato do Presidente Paul Kagame, cujo movimento rebelde impediu o genocídio e tomou o poder.

Kagame, que é elogiado por muitos por ter trazido uma relativa estabilidade, mas vilipendiado por outros pela sua intolerância à dissidência, irá liderar os eventos sombrios de comemoração no domingo na capital, Kigali. Entre os visitantes estrangeiros contam-se uma delegação chefiada por Bill Clinton, o presidente dos EUA durante o genocídio, e o presidente israelita Isaac Herzog.

Durante a cerimónia, Kagame acendeu uma chama de recordação e depositou uma coroa de flores num memorial onde se encontram os restos mortais de 250.000 vítimas do genocídio em Kigali.

A matança foi desencadeada quando um avião que transportava o então Presidente Juvénal Habyarimana, um hutu, foi abatido sobre Kigali.

Os tutsis foram responsabilizados pelo abate do avião e pela morte do presidente e tornaram-se alvos de massacres liderados por extremistas hutus que duraram mais de 100 dias em 1994. Alguns hutus moderados que tentaram proteger os membros da minoria tutsi também foram mortos.

As autoridades ruandesas há muito que culpam a comunidade internacional por ter ignorado os avisos sobre os assassínios e alguns líderes ocidentais manifestaram o seu pesar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Batalhão Siberiano: Quem são os russos que estão a lutar pela Ucrânia?

Conselho de Estado estuda pedido de suspensão de proibição de "abaya" nas escolas francesas

Berlim denuncia "retórica nacionalista" de Belgrado