EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA dizem que Biden autorizou entregas secretas de mísseis de longo alcance à Ucrânia

O presidente Joe Biden fala antes de assinar um pacote de ajuda à Ucrânia de 95 mil milhões de dólares que inclui também apoio a Israel e Taiwan
O presidente Joe Biden fala antes de assinar um pacote de ajuda à Ucrânia de 95 mil milhões de dólares que inclui também apoio a Israel e Taiwan Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, diz que Kiev tem informações credíveis de que a Rússia planeia perturbar a Cimeira Global da Paz que se realizará na Suíça em junho.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos confirmaram que enviaram secretamente mísseis de longo alcance à Ucrânia para serem utilizados no campo de batalha contra a Rússia.

O Presidente Joe Biden aprovou a entrega do Sistema de Mísseis Tácticos do Exército de longo alcance, conhecido por ATACMS, em fevereiro e março, e a Ucrânia já os utilizou duas vezes.

Numa conferência de imprensa em Washington, o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan afirmou que os mísseis tinham sido enviados em resposta ao facto de a Rússia ter adquirido armas a outros países.

"Isto seguiu-se à aquisição e utilização pela Rússia de mísseis balísticos da Coreia do Norte contra a Ucrânia, bem como aos ataques renovados e crescentes da Rússia contra infra-estruturas civis na Ucrânia", afirmou.

Sullivan não disse quantos ATACMS foram enviados para a Ucrânia ou se fariam parte do último pacote de ajuda militar assinado na quarta-feira. Esse financiamento inclui 57 mil milhões de euros para a Ucrânia.

"Já enviámos alguns, vamos enviar mais agora que temos autoridade e dinheiro adicionais. Não vou entrar em números específicos por razões operacionais. Acredito que vão fazer a diferença", disse Sullivan.

Entretanto, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, afirmou que Kiev tem informações credíveis de que a Rússia planeia perturbar a Cimeira Mundial da Paz, que se realizará na Suíça em junho.

Num post no X, afirmou que a Rússia já tem um plano para perturbar a reunião "incluindo a forma de reduzir o número de países participantes e de atuar de forma a frustrar os esforços de paz por mais tempo".

A Suíça anunciou no início deste mês que iria acolher a conferência internacional de dois dias no Lago Lucerna, a 15 e 16 de junho.

Zelenskyy disse que espera a participação de 80 a 100 países, mas as autoridades suíças não anunciaram quem participará.

No entanto, a ministra suíça da Defesa, Viola Amherd, admitiu em fevereiro que era pouco provável que a Rússia participasse.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden assina pacote de ajuda de 95 mil milhões de dólares para Ucrânia, Israel e Taiwan

Guerra na Ucrânia: qual o impacto do pacote de 61 mil milhões de dólares dos EUA?

Como os drones "kamikaze" Shahed do Irão estão a ser utilizados na Ucrânia