EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Israel diz que mais 4 reféns foram encontrados mortos em Gaza

Palestinianos observam a destruição após um ataque aéreo israelita em Khan Younis, na Faixa de Gaza, segunda-feira, 3 de junho de 2024.
Palestinianos observam a destruição após um ataque aéreo israelita em Khan Younis, na Faixa de Gaza, segunda-feira, 3 de junho de 2024. Direitos de autor Jehad Alshrafi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jehad Alshrafi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Mais quatro reféns raptados a 7 de outubro foram declarados mortos pelos militares israelitas - incluindo três idosos vistos num vídeo do Hamas a implorar para serem libertados.

PUBLICIDADE

O anúncio desta segunda-feira aumenta a pressão sobre o governo israelita para que aceite uma proposta de cessar-fogo dos EUA que poderia garantir o regresso dos reféns ainda detidos em Gaza e pôr fim a uma guerra de oito meses.

Os militares israelitas indicaram que mais quatro reféns raptados a 7 de outubro foram mortos - incluindo três idosos vistos num vídeo do Hamas a implorar para serem libertados.

Os quatro homens declarados mortos na noite de segunda-feira - Nadav Popplewell, Amiram Cooper, Yoram Metzger e Haim Peri - foram raptados e levados para Gaza ainda vivos, segundo o Fórum dos Reféns.

Chegou o momento de pôr fim a este ciclo de sacrifício e negligência.
Fórum dos Reféns

"O seu assassinato em cativeiro é um sinal de desgraça e uma triste reflexão sobre o significado de atrasar os acordos anteriores", escreveu o grupo num comunicado, onde também apelou ao governo para que aprovasse imediatamente o novo plano de cessar-fogo.

Cooper, Metzger e Peri tinham todos 80 anos ou mais. Em dezembro, apareceram num vídeo divulgado pelo Hamas com o título "Não nos deixem envelhecer aqui". No vídeo, os três homens aparecem magros, vestindo t-shirts brancas finas.

"Somos a geração que construiu os alicerces do Estado de Israel", diz Haim Peri, referindo que todos os homens sofrem de doenças crónicas. "Não compreendemos porque é que fomos abandonados aqui".

Acredita-se que estejam vivos cerca de 80 reféns em Gaza, juntamente com os restos mortais de outros 43.

Nos dias que se seguiram ao anúncio da proposta de cessar-fogo por parte da administração Biden, na sexta-feira, Israel assistiu a alguns dos seus maiores protestos, apelando ao governo para que os trouxesse para casa.

Os dirigentes israelitas parecem ter posto de lado a proposta do Presidente Joe Biden, prometendo continuar a conduzir operações militares contra o Hamas até que o grupo militante seja destruído.

Cerca de 100 prisioneiros foram libertados durante uma semana de troca de reféns por prisioneiros palestinianos em novembro. Três dos homens declarados mortos na segunda-feira tinham familiares do sexo feminino que foram libertados durante a troca.

Um milhão de deslocados de Rafah

O número de deslocados da cidade de Rafah, no sul de Gaza, ultrapassou um milhão de pessoas, informou a Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos (UNRWA) num comunicado publicado no X.

Entretanto, milhares de famílias estão agora a procurar abrigo em zonas danificadas e destruídas de Khan Younis, acrescentou a agência.

Israel está a expandir a sua ofensiva na cidade de Rafah, no sul de Gaza, outrora o principal centro de operações de ajuda humanitária.

A invasão israelita cortou em grande parte o fluxo de alimentos, medicamentos e outros fornecimentos aos palestinianos que enfrentam uma fome generalizada.

Israel enfrenta críticas internacionais crescentes devido ao enorme custo em vidas civis e à destruição generalizada causada pela sua guerra de quase oito meses contra o Hamas.

Os bombardeamentos e as operações terrestres israelitas em Gaza já mataram mais de 36.000 palestinianos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, que não distingue entre combatentes e civis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha: Sánchez quer que a comunidade internacional "exerça mais pressão" sobre Israel

EUA dizem estar a avaliar resposta do Hamas ao plano de cessar-fogo norte-americano na Faixa de Gaza

ONU diz que podem ter sido cometidos crimes de guerra na operação de resgate em Gaza