EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Parceria Transpacífico espera ratificação dos 12 países signatários

Parceria Transpacífico espera ratificação dos 12 países signatários
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Parceria Transpacífico selada esta segunda-feira em Atlanta, nos Estados Unidos, ainda tem de correr um longo caminho antes de se tornar efetivo.

PUBLICIDADE

A Parceria Transpacífico selada esta segunda-feira em Atlanta, nos Estados Unidos, ainda tem de correr um longo caminho antes de se tornar efetivo. O tratado de comércio livre deve ser ratificado pelos estados signatários: Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Estados Unidos, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname. Estes doze países representam 40 por cento do produto interno bruto mundial e são habitados por 800 milhões de pessoas.

As negociações duraram cinco anos e foram difíceis, mas alguns setores saíram mais beneficiados, como explica o analista Edward Alden, do Council on Foreign Relations:

“Entre os vencedores contam-se as indústrias tecnológicas. Se olharmos para os setores dos semicondutores ou da informática encontramos disposições relativas à liberdade do fluxo de dados e ao impedimento dos países exigirem armazenamento local de dados, o que é um grande problema para os Googles deste mundo.”

O documento é visto como uma manobra americana para contrariar o peso crescente da China no mercado asiático, embora tenha sido convidada a participar nas negociações, o que recusou devido às restrições no setor financeiro. No entanto, Pequim saudou a Parceria e não põe de parte uma eventual participação futura no maior espaço de comércio livre do mundo. A Coreia do Sul também ficou de fora deste tratado mas está a preparar-se para aderir à Parceria Transpacífico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Assinado acordo comercial Ásia-Pacífico TPP sem os EUA

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico