EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Grécia espera "virar a página" da crise após acordo em Bruxelas

Grécia espera "virar a página" da crise após acordo em Bruxelas
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Reuters, Lusa, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Grécia espera “virar a página” de seis anos de crise da dívida, após o acordo entre os ministros das Finanças da União Monetária em Bruxelas. Com

PUBLICIDADE

A Grécia espera “virar a página” de seis anos de crise da dívida, após o acordo entre os ministros das Finanças da União Monetária em Bruxelas.

Com a aprovação de novas medidas pelo parlamento grego, a zona euro vai continuar a assistência financeira a Atenas e começa a discutir um eventual alívio da dívida pública.

O primeiro-ministro Alexis Tsipras estima: “Da nossa parte cumprimos as nossas obrigações para com os credores e, sobretudo, para com o povo grego. É importante, porque aplicamos o acordo usando toda a nossa margem de manobra com o objetivo de proteger a sociedade”.

Atenas vai receber uma fatia de pelo menos 5,4 mil milhões de euros do empréstimo concedido no ano passado. Mas falta o acordo sobre as medidas adicionais que terão de ser aplicadas caso não alcance um excedente primário de 3,5% do PIB em 2018.

No Parlamento Europeu, o Comissário europeu para os Assuntos Económicos e Fiscais, Pierre Moscovici, disse: “Houve um segundo bloco de discussões ontem e na semana, que se centrou na necessidade de encontrar um acordo sobre o mecanismo de contingência. Esse mecanismo respeita os critérios fixados pelo Eurogrupo há duas semanas em Amesterdão, ou seja, vai ser objetivo, legislado, credível e automático”.

O acordo terá de ser obtido até 24 de maio, data da nova reunião do Eurogrupo.

O governo helénico parece ter convencido a Alemanha e o FMI.

A nível interno espera-se mais austeridade.

Harris Theoharis, antigo chefe do serviço fiscal e membro da oposição, estima: “Primeiro, acredito que o mecanismo vai entrar em vigor. Não podemos escapar e falhar metas. Há quem diga que deveríamos tê-lo introduzido logo no início. Em segundo lugar, vai afetar diretamente os salários dos funcionários públicos e reduzir as pensões no montante da meta não respeitada”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros