EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE: Desemprego recuou para mínimos de 2009

UE: Desemprego recuou para mínimos de 2009
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O desemprego na União Europeia e na Zona Euro recuou para mínimos de 2009, em outubro.

PUBLICIDADE

O desemprego na União Europeia e na Zona Euro recuou para mínimos de 2009, em outubro.

Segundo os dados divulgados, esta quinta-feira, pelo Eurostat, a taxa de desemprego na Zona euro situou-se nos 9,8%, no mês de outubro, o valor mais baixo desde julho de 2009.

Na União Europeia, a taxa de pessoas sem trabalho recuou, em outubro, para os 8,3%, o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

Segundo as estimativas do gabinete de estatísticas europeu, que 20,448 milhões de cidadãos da União Europeia, dos quais 15,908 milhões são cidadãos da Zona Euro, estavam em situação de desemprego, em outubro.

Em relação ao mês anterior, no grupo dos 28, houve menos 190 mil pessoas desempregadas em outubro.

Entre os estados-membros, a República Checa registou a menor taxa de desemprego, com 3,8%, seguida pela Alemanha, com 4,1%.

No outro lado da balança, a Grécia regista a taxa mais elevada de desemprego, com 23,4% da população sem trabalho, a Espanha ocupa o segundo lugar. 19,2% dos espanhóis não têm emprego.

Lowest unemployment rate in euro area and in the EU since 2009 #Eurostathttps://t.co/IYN7nFMobKpic.twitter.com/miFXTolFl0

— EU_Eurostat (@EU_Eurostat) December 1, 2016

Em Portugal, em outubro, 10,8% dos portugueses estavam em situação de desemprego.

Em relação ao desemprego jovem, a taxa situou-se nos 18,4% na União Europeia e nos 20,7% na Zona Euro, em outubro.

Em Portugal, a taxa de desemprego jovem fixou-se nos 28,9%. Em outubro, 105 mil jovens, até aos 25 anos, não tinham trabalho.

Com: Reuters

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inflação na zona euro regista nova subida em novembro

Mais países vão ter problemas de dívida, diz BCE

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?