EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Grécia: Credores internacionais vão regressar a Atenas

Grécia: Credores internacionais vão regressar a Atenas
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com REUTERS, LUSA, ANSA, EFE, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro grego das Finanças reabre as portas aos credores internacionais.

PUBLICIDADE

O ministro grego das Finanças reabre as portas aos credores internacionais. Estes regressam a Atenas até ao final do mês, depois de Euclid Tsakalotos ter cedido, em parte, aos parceiros europeus.

Na reunião do Eurogrupo, esta segunda-feira, Atenas aceitou preparar reformas, que serão aplicadas em 2019 após a conclusão do terceiro plano de resgate, e sem que isso implique mais austeridade.

#Greece official say institutions will return to Athens next week, govt will not take even a euro more of austerity (via capitalgr</a>)</p>— Efthimia Efthimiou (EfiEfthimiou) 20 de fevereiro de 2017

“Haverá uma mudança na política. Iremos afastar-nos da austeridade e dar ênfase às reformas profundas, que têm sido um dos elementos chaves do FMI”, adianta o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.

Para participar no terceiro resgate, o Fundo Monetário Internacional (FMI) exige reformas adicionais no valor de 3,6 mil milhões de euros, ou seja, 2% do PIB. Sem elas, estima, não é possível atingir as metas orçamentais fixadas pelos europeus.

O comissário Europeu para os Assuntos Económicos e Fiscais, Pierre Moscovici, avisa: “Ainda temos de superar diferenças em termos de previsões fiscais e definir todos os pormenores do pacote de medidas para concluir a segunda avaliação”.

Em discussão estão as reformas das pensões e do sistema fiscal. Atenas tem de obter a segunda fatia de ajuda até julho, quando terá de reembolsar mais de 7 mil milhões de euros de dívida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Resgate financeiro da Grécia: O braço-de-ferro entre a Europa e o FMI

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico