EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Investigação internacional em curso contra a fraude fiscal

Investigação internacional em curso contra a fraude fiscal
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Reuters, AFP, EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mega-operação contra a fraude fiscal na Europa e na Austrália.

PUBLICIDADE

Mega-operação contra a fraude fiscal na Europa e na Austrália.

Na Holanda, as autoridades apreenderam barras de ouro, joias, quadros e carros de luxo, em diversas localidades. Há pelo menos duas pessoas detidas e outras a serem interrogadas.

A operação internacional, coordenada pela agência europeia Eurojust e iniciada no ano passado, abrange também o Reino Unido, a França, a Alemanha e a Austrália.

Hans van der Vlist, diretor do serviço holandês de informação e investigação fiscal (FIOD, na sigla em holandês), revela: “O operação visava pessoas com contas em bancos suíços. O caso é sobre uma enorme quantidade de detentores de crédito: um total de 55 mil” contas suspeitas, entre as quais 3800 são de holandeses.

(The Globe and Mail):#Dutch launch tax raids over 55,000 suspect accounts, #Credit Suisse visited : U.K. tax.. https://t.co/Gta9vsk1k6

— Latestcanada.com (@latestcanada) 31 de março de 2017

O nome do banco não foi revelado pelas autoridades dos vários países. No entanto, o Crédit Suisse, segunda instituição bancária da Condeferação Helvética, anunciou que os seus escritórios em Londres, Paris e Amesterdão foram alvo de buscas. O banco diz estar a colaborar com as autoridades.

O banco suíço volta assim a atrair as atenções das autoridades em casos de evasão fiscal. Desde 2011, o Crédit Suisse já pagou mais de 2 mil milhões de francos suíços em multas nos Estados Unidos, na Alemanha e na Itália, por alegadamente ter ajudado os clientes a fugir ao fisco dos respetivos países.

No quadro da nova investigação, o Reino Unido e a França abriram inquéritos judiciais por fraude fiscal agravada e branqueamento de capitais. Na linha de mira estão clientes mas também funcionários bancários.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa