EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

China defende comércio com Coreia do Norte

China defende comércio com Coreia do Norte
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com REUTERS; LUSA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O volume de negócios entre a China e a Coreia do Norte aumentou 10 por cento entre janeiro e junho deste ano, em relação ao ano passado.

PUBLICIDADE

A China diz que estar a cumprir as sanções impostas pela ONU à Coreia do Norte depois de Washington ter acusado Pequim de manter as relações comerciais com o regime de Kim Jong-un e de não fazer o suficiente para travar o programa nuclear de Pyongyang.

O volume de negócios entre a China e a Coreia do Norte aumentou 10 por cento entre janeiro e junho deste ano, em relação ao ano passado.

China’s trade with isolated North Korea rose compared to last year, despite U.S. pressure. https://t.co/OlU54vxmcf via Reuters</a> TV <a href="https://t.co/PxuvIg9Z1m">pic.twitter.com/PxuvIg9Z1m</a></p>— Reuters Top News (Reuters) July 13, 2017

O governo chinês, através do porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, reiterou que “a China está (…) a aplicar as resoluções” da Organização das Nações Unidas.

Geng Shuang sublinhou que “as sanções do Conselho de Segurança contra a Coreia do Norte não são sanções económicas totais” e que “para a China, manter relações comerciais e económicas normais com a Coreia do Norte não é uma violação das resoluções do Conselho de Segurança.”

Uma das principais compras da China à Coreia do Norte é o minério de ferro, depois de ter suspendido as importações de carvão.

Pequim defendeu que a importação de ferro não é abrangida pelas sanções e não gera lucros para o programa nuclear do regime.

COM: REUTERS, LUSA

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa