EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Escândalo de abusos sexuais ameaça finanças da Oxfam

Escândalo de abusos sexuais ameaça finanças da Oxfam
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo britânico e vários parceiros estudam forma como a ONG lida com denúncias de abusos no Haiti, Chade, Sudão do Sul e no próprio Reino Unido

PUBLICIDADE

Abalada pelo escândalo de abusos sexuais cometidos por colaboradores no Haiti, no Chade, no Sudão do Sul e mesmo nas sucursais no Reino Unido, onde está baseada, a Oxfam vê-se confrontada à possibilidade de uma perda maciça de financiamento.

Segundo o próprio relatório financeiro da ONG para 2016-2017 (ver página 12), 200 dos 456 milhões de euros que recebeu, vieram do governo britânico e de outras autoridades e instituições públicas, o que representa 43% dos seus rendimentos.

Londres já abriu uma investigação às acusações de abusos e vários parceiros, como a rede Visa ou a cadeia Marks & Spencer anunciaram que estudarão em detalhe como a Oxfam lida com o escândalo.

Também no período 2016-2017, a ONG gastou um milhão de euros, empregando 12 pessoas em atividades de "lobbying", segundo o site LobbyFacts.eu.

Dos fundos que gastou no último exercício financeiro, a Oxfam usou 48% - 166 milhões de euros - diretamente em ajuda humanitária. O resto foi para custos com o pessoal, logística e programas de desenvolvimento e assistência a longo prazo. Cinco por cento dos fundos foram gastos em publicidade e assuntos legais.

Grandes perdedores numa eventual retirada maciça de financiamento à ONG, serão as populações desfavorecidas que dependem em grande parte da sua assistência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Foi a Oxfam que pediu novas denúncias de escândalos sexuais"

Andrew MacLeod: ´"É preciso responsabilizar as instituições humanitárias"

Novo indício de que o BCE poderá vir a reduzir as taxas de juro na reunião de junho