Medvedev: sanções são "contraproducentes"

Medvedev: sanções são "contraproducentes"
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, dizer que a Rússia de Vladimir Putin representa uma das maiores ameaças à unidade da União Europeia, agora, o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, aponta o dedo à União Europeia.

PUBLICIDADE

As relações entre Rússia e Europa atravessam tempos difíceis.

Depois do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, dizer que a Rússia de Vladimir Putin representa uma das maiores ameaças à unidade da União Europeia, agora, o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, aponta o dedo à Europa.

"Se olharmos para as relações atuais entre a Rússia e a UE, essas relações estão a passar por tempos difíceis. Acreditamos que este é o resultado de decisões bastante precipitadas tomadas pela própria União Europeia. E acho que os residentes da UE são os que pagam por essas decisões. Eu enfatizo, mais uma vez, nós não iniciámos as más relações," afirmou o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev.

As sanções dos Estados Unidos a bancos russos foram vistas por Medvedev como uma declaração de guerra económica. Mas será que a Rússia se vê em guerra com Washington ou com quem imponha sanções ao seu país?

"As sanções são uma ideia absolutamente contraproducente. E as sanções contra o setor bancário são, de fato, uma declaração de guerra comercial. Estas são as sanções mais difíceis. Mas, sem dúvida, seremos capazes de superar este tipo de pressão. Não temos dúvidas que a nossa economia é capaz de se adaptar a qualquer forma de pressão. A questão é: qual a necessidade disso? O que quero dizer é que isso tende a perturbar a ordem internacional, incluindo a económica," acrecentou Medvedev.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento Europeu aprova novas regras orçamentais da UE face ao receio do regresso à austeridade

Europeus com baixos rendimentos enfrentam dificuldades com o custo da habitação

Relatório revela que mercado alemão continua a ser o que enfrenta mais dificuldades na Europa