EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Zona euro regista maior queda de sempre do PIB

Zona euro regista maior queda de sempre do PIB
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A incerteza sobre possíveis novas vagas da pandemia no outono também deixa os especialistas pouco animados, prevendo um aumento das falências nas empresas e consequente taxa de desemprego.

PUBLICIDADE

A pandemia de Covid-19 causou a maior queda de sempre da riqueza produzida na zona euro. Os 19 países com a moeda única registaram, em média, uma descida de 12,1 por cento do PIB no segundo trimestre, quando o confinamento por causa da pandemia esteve no seu ponto mais alto.

O país mais fustigado foi Espanha, com uma diminuição de 18,5 por cento do PIB, naquela que é a quarta maior economia da União Europeia.

A Alemanha, maior economia da zona euro, também não escapou a uma forte queda, na ordem dos 10 por cento e França e Itália,  em segundo e terceiro lugar em  termos de tamanho da riqueza nacional, também registam uma perda acima dos 12 por cento. Em Portugal, o tombo foi de 14,1 por cento.

No caso de Espanha, o governo reúne-se, sexta-feira, com líderes das regiões autónomas para ver como enfrentar o descalabro que já destruiu mais de um milhão de postos de trabalho. Espanha deverá receber uma das maiores parcelas do novo fundo de recuperação económica da União.

Desde o fim do confinamento já se registam alguns sinais de recuperação nas vendas a retalho e na produção industrial, devido à reabertura de lojas e fábricas.

Os analistas económicos falam num choque tremendo que desencadeou a recessão mais grave desde a Segunda Guerra Mundial e antevêem uma lenta retoma.

"Sabemos bem que as medidas de confinamento foram bastante reduzidas a partir de maio, o que levará a alguma recuperação já no próximo trimestre, mas receio que a recuperação em geral seja demorada, num processo longo e doloroso. Alguns setores irão sofrer bastante por muitos, muitos anos", disse Zsolt Darvas, analista económico no Instituto Bruegel.

A incerteza sobre possíveis novas vagas da pandemia, no outono, também deixa os especialistas pouco animados, prevendo um aumento das falências nas empresas e consequente taxa de desemprego.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

PIB português cai 16,5% no segundo trimestre de 2020

Covid-19: Acordo para combater a crise a caminho do Parlamento Europeu

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental