EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Setores afetados pelo confinamento alertam para falências

Setores afetados pelo confinamento alertam para falências
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo segundo ano consecutivo, os europeus vão viver uma Páscoa diferente com medidas de confinamento. Na maior parte dos países, restaurantes e lojas vão estar fechados e haverá fortes restrições às viagens.

PUBLICIDADE

Pelo segundo ano consecutivo, os europeus vão viver uma Páscoa diferente com medidas de confinamento. Na maior parte dos países, restaurantes e lojas vão estar fechados e haverá fortes restrições às viagens.

As ações da British Airways caíram fortemente pela terceira sessão consecutiva, depois de o aumento dos casos do novo coronavírus na Europa ter aumentado a probabilidade de novas restrições para os europeus que queiram viajam para o exterior.

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo, o setor da aviação perdeu no ano passado 100 mil milhões de euros e a procura caiu 65,9% em 2020 face a 2019.

A chanceler alemã decidiu prolongar o confinamento até 18 de abril e fechar as lojas, com a exceção das de alimentação, na Páscoa. E pediu aos alemães para ficarem em casa, sendo que as concentrações de pessoas estão proibidas.

A associação de retalhistas HDE avisou que 54% das lojas de roupa enfrentam o risco de insolvência após 100 dias de confinamento.

A Associação Alemã do Comércio Automóvel, ZDK, também criticou a extensão e o endurecimento do bloqueio e alertou para uma onda de falências. 

Em França, as lojas não essenciais estão fechadas, mas, com a Páscoa à porta, foi aberta uma exceção para as lojas que vendem chocolates.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tradição e cultura impedem falência de negócio por causa da Covid

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos