UE aposta no hidrogénio verde para reduzir as emissões de CO2 da indústria pesada

Em parceria com The European Commission
UE aposta no hidrogénio verde para reduzir as emissões de CO2 da indústria pesada
Direitos de autor euronews
De  Andrea Bolitho
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O hidrogénio verde poderá ser um aliado importante da descarbonização da industria se for possível produzi-lo de forma limpa e barata.

O hidrogénio verde é visto como uma parte importante do puzzle da descarbonização da indústria pesada na Europa.

A UE quer produzir 10 milhões de toneladas de hidrogénio renovável e importar ais 10 milhões de toneladas até 2030. Por enquanto, a produção de hidrogénio renovável na Europa é de apenas 20 000 toneladas de acordo com os dados de 2022.

O aumento da produção é um desafio

"É preciso melhorar a tecnologia, para que possa ser implementada de forma massiva, precisamos de uma regulamentação clara, de um processo de licenciamento claro, e de acesso à rede", disse Carlos Fúnez Guerra, responsável do desenvolvimento de hidrogénio verde da Iberdrola.

"Fornecemos o hidrogénio ao fornecedor Fertiberia, uma empresa de fertilizantes, que utiliza o hidrogénio para produzir amoníaco e, depois, com esse amoníaco produz fertilizantes. Hoje, com o nosso hidrogénio, eles podem descarbonizar 10% da produção de amoníaco", frisou o responsável.

"A grande questão é o dinheiro"

A Comissão Europeia implementou um quadro regulamentar para o hidrogénio renovável. Os investimentos previstos rondam os 22 mil milhões de euros

"A grande questão é o dinheiro e os fundos. Temos o Fundo de Inovação, temos o grande Banco de Hidrogénio que fechou o primeiro leilão há algumas semanas, com 800 milhões de euros. Estimamos que cerca de 600MW vão ser financiados, mas para atingir os objetivos e os níveis fixados pela UE precisamos de muito mais financiamento", disse Blandine Malvault, conselheira para a regulamentação da UE da Iberdrola.

Os setores considerados difíceis em termos de redução de CO2 incluem os transportes, os fertilizantes e a indústria pesada. Só o aço produz cerca de sete por cento das emissões de CO2 a nível mundial.

Hidrogénio verde em vez de fornos a carvão

O consórcio sueco Hybrit começou a produzir aço a partir de hidrogénio verde para remover o oxigénio do minério de ferro, em vez de usar fornos a carvão.

"Se tivermos energia livre de fósseis, o hidrogénio pode ser produzido apenas com água e eletricidade livre de fósseis, sem emissões de dióxido de carbono", expicou Susanne Eriksson Rostmark, investigadora da empresa LKAB que integra o consórcio sueco Hybrit.

"O hidrogénio verde é mais caro do que o hidrogénio produzido a partir de combustíveis fósseis, mas a indústria espera que esta diferença diminua com a descida dos preços das energias renováveis", considerou Susanne Eriksson Rostmark.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

O hidrogénio verde e o problema do ovo e da galinha

Burocracia e China são obstáculos às ambições europeias no setor eólico

Turbinas eólicas: maior nem sempre é melhor