This content is not available in your region

Jovem maestrina arrebata concurso em Londres

Jovem maestrina arrebata concurso em Londres
De  Euronews

Ser maestro implica um percurso árduo e, sobretudo, muita paixão. O reconhecimento desta arte fez com que, em 1990, Donatella Flick criasse um concurso em parceria com a Orquestra Sinfónica de Londres destinado a jovens maestros. O prémio é nada menos do que a oportunidade de trabalhar durante um ano com esta prestigiada orquestra. Mais de 200 participantes tentaram a sua sorte este ano: apenas três chegaram ao fim.

Antes do anúncio do vencedor, Flick antecipava esta opinião: “É muito difícil encontrar maestrinas. Não sei bem porquê, mas é um trabalho cada vez mais dominado pelos homens… Há mulheres que tentam, mas é um caminho muito longo. É uma profissão que exige muita força mental e física. E o coração, também – a cabeça, a alma, mas acima de tudo energia física.”

E, na verdade, o desfecho desta competição trouxe algo de inédito. Num mundo iminentemente masculino, uma mulher venceu este concurso. Elim Chan, de vinte e oito anos, nasceu em Hong Kong, tem nacionalidade britânica e estuda nos Estados Unidos. “A vontade surgiu quando era muito nova – vi um maestro em cima dum palco e pensei ‘eu quero estar ali em cima.’(…) Um maestro é como uma lente ou um vidro – não brilha por si mesmo, é preciso haver uma luz, algo que reflita. E isso é desencadeado pela música e pela paixão. Depois é refletido para o público e volta para os músicos e para mim”, declara Chan.

Descendente de uma família nobre da Ossétia, Donatella Flick empenha-se em apoiar causas artísticas e humanitárias, sem perder uma visão lúcida sobre a realidade de alguns meios. “É um mundo muito duro, onde ninguém sequer lhe paga um café a não ser que queira algo em retorno. As coisas mudaram muito nos últimos cinco, dez anos. Eu acredito que o mecenato é um dever hoje em dia. É muito importante e devia haver mais”, considera.