EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Grécia e Ucrânia em destaque no ativismo político pela arte

Grécia e Ucrânia em destaque no ativismo político pela arte
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Prémio Fundação Europeia da Cultura/Princesa Margriet de 2015 foi atribuído a uma organização grega e a outra ucraniana durante uma cerimónia, a 31 de março, em Bruxelas. A Bienal de Atenas (Grécia)

PUBLICIDADE

O Prémio Fundação Europeia da Cultura/Princesa Margriet de 2015 foi atribuído a uma organização grega e a outra ucraniana, no valor de 25 mil euros para cada, durante uma cerimónia, a 31 de março, em Bruxelas.

No caso da Bienal de Atenas, que se realiza na capital da Grécia e cuja ultima edição foi em 2013, o júri quis premiar a promoção da solidariedade entre entidades locais e internacionais.

Poka-Yio, um dos fundadores da Bienal, disse à euronews que
“para sobreviver, temos de nos reinventar constantemente. Por isso, mudamos o formato a cada edição da bienal por forma a mantê-la relevante e sustentável”.

O outro vencedor foi o Centro de Investigação de Cultura Visual, em Kiev (capital da Ucrânia). O seu ativismo político e social através da arte teve um ponto alto durante a revolução pró-europeia, iniciada no final de 2013.

Um representante do centro, Olexiy Radynsky, explicou que “este prémio é prova de que, intuitivamente, fazemos um trabalho na Ucrânia que está em sintonia com que está a acontecer por toda a Europa”.

O prémio foi criado em 2008 para revelar o potencial da cultura na promoção da democracia e dos direitos humanos na Europa.

Um dos membros do júri, Saskia van Stein, diretora artística do Bureau Europa, em Maastricht (Holanda), realçou que “ambos os premiados têm, digamos, epifanias sobre o que pode ser o futuro da democracia”.

“Esta escolha é também um reconhecimento de que estão em curso movimentos sociais significativos na Grécia e na Ucrânia. São combates que não são só específicos destes países, mas antes muito representativos da crise que a Europa está a atravessar. Uma crise que não é apenas económica, mas também de identidade”, disse outro membro do júri, Rana Zincir Celal, diretora de programação do Columbia Global Center da Turquia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estilista saudita Reem al Kanhal reinventa vestidos árabes tradicionais

Banda sonora da Guerra das Estrelas em 3D

Novas séries de televisão apresentadas no Festival de Monte Carlo