Ai Weiwei: "historicamente, os Europeus são responsáveis por muitas crises de refugiados"

Ai Weiwei: "historicamente, os Europeus são responsáveis por muitas crises de refugiados"
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O museu arqueológico da Grécia organiza uma exposição sobre Ai Weiwei.

PUBLICIDADE

O museu arqueológico da Grécia organiza uma exposição sobre Ai Weiwei. A mostra retrata as várias facetas do artista e ativista político chinês. A crise dos refugiados e as consequências da globalização na vida das pessoas são alguns dos temas retratados na obra de Ai Weiwei.

“Queremos promover o diálogo entre a arte contemporânea e a arqueologia. O nosso projeto começou há dez anos. O objetivo é trazer os jovens para o museu. Há seis meses pedimos ao Ai Weiwei para participar no projeto. Ele é muito sensível à questão dos refugiados e fez trabalhos específicos para o museu”, explicou, Sandra Marinopoulos, presidente do museu grego.

O artista chinês vive atualmente em Berlim e esteve presente na inauguração em Atenas.

“Estou muito interessado em aprofundar as primeiras atividades humanas e as primeiras formas de criatividade e coleciono objetos chineses antigos. Quando visitei o museu arqueológico da Grécia, deparei-me com um compreensão bastante hábil e impressionante da escultura”, disse Ai Weiwei.

Ai Weiwei visitou um campo de refugiados na Grécia em 2015 e deverá apresentar um documentário sobre o tema em 2017.

“Historicamente, os Europeus são responsáveis por muitas crises de refugiados. A Europa tem uma visão de curto prazo e sacrifica valores essenciais que são o fundamento da sociedade europeia: os direitos humanos e o apoio humanitário. É uma situação muito triste e vergonhosa”, afirmou o artista chinês.

Ai Weiwei é alvo de grande atenção mediática. Há quem o critique por usar a arte como forma de autopromoção. O artista responde às críticas.

“Atualmente, interesso-me pela situação dos refugiados e dou a minha opinião. Não é uma questão de chamar ou não a atenção. É o meu dever enquanto artista ou enquanto soldado ou como alguém que faz o jantar para os convidados. Este é o meu cozinhado. As pessoas não são obrigadas a comê-lo”, afirmou Ai Weiwei.

A exposição pode ser visitada em Atenas até 30 de outubro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estilista saudita Reem al Kanhal reinventa vestidos árabes tradicionais

Banda sonora da Guerra das Estrelas em 3D

Novas séries de televisão apresentadas no Festival de Monte Carlo