EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A mastaba de barris de Christo ou o sonho búlgaro na Côte d'Azur

A mastaba de barris de Christo ou o sonho búlgaro na Côte d'Azur
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com FRANCE 3, EBU-UER
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O artista búlgaro Christo realizou o sonho antigo de construír uma mastaba egípcia na Fundação Maegh, França.

PUBLICIDADE

Christo, o eterno companheiro de Jeanne-Claude, realizou recentemente um dos seus maiores sonhos: construir uma mastaba na Fundação Maeght, uma reprodução de uma forma de túmulo no antigo Egito, onde eram sepultados os notáveis como faraós ou nobres.

O artista búlgaro deu asas à imaginação na fundação privada dedicada à Arte Moderna e Contemporânea, situada em Saint-Paul de Vence, no coração da Côte d’Azur, a 25 quilómetros de Nice.

A mastaba egípcia foi construída com barris de petróleo. É um velho projeto de Christo, resgatado de há quase quatro décadas, e que nos propõe uma viagem até aos tempos da Mesopotâmia. A mastaba dos barris foi concebida, na altura, pelo casal, Christo e Jeanne-Claude, que morreu em 2009.

Christo poses at the #FondationMaeght during the Mastaba exhibition. #AFPPhotopic.twitter.com/FayTtV5seK

— Valery HACHE (@ValeryHache) 4 juin 2016

Christo explica que “a primeira mastaba era algo como uma escultura de emoções”, mas esta, esta “explode realmente no espaço. Claro que defini estas proporções de propósito, pois este ângulo, a partir do qual se entra, permite-nos subir escadas como se chegássemos ao céu.”

Christos é célebre pelas suas embalagens de monumentos e estruturas, como a Pont-Neuf, em Paris, o Reichstag, em Berlim, ou as ilhas da baía de Miami. Mas as mastabas são indissociáveis da sua obra.

#Christo : l'art sans concessions à la fondation #Maeght#expositionpic.twitter.com/QeiSHPQuL7

— Simode Fabien (@fsimode) 3 juin 2016

Para Olivier Kaeppelin, diretor da Fundação Maeght, Christo era “um artista classificado como um vanguardista. Isto, com muitas aspas. Porque era preciso defini-lo. Vimos como os seus projetos, desde 1967 até aos nossos dias, quando tem 81, nos permitem ainda pensar o mundo e como nos oferecem novas experiências.”

A exposição de Christo e Jeann-Claude está patente ao público na Fundação Maegh, em Saint-Paul de Vence, França, até ao dia 27 de novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Art Paris 2024: a cena artística francesa no centro das atenções, com jovens talentos em destaque

Andrey Gugnin recebe o primeiro prémio de 150.000€ no Concurso Internacional de Piano Clássico 2024

Festival Balkan Trafik! dá destaque à Moldova e às suas minorias