EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Marrocos voltou a promover "mestiçagem" rítmica no Festival Gnaoua

Marrocos voltou a promover "mestiçagem" rítmica no Festival Gnaoua
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Artistas internacionais, entre eles Carlinhos Brown, partilharam o palco com músicos locais, num já habitual cruzamento étnico anual em Essaouira.

PUBLICIDADE

O Festival Gnaoua voltou este ano a atrair centenas de milhares de pessoas a Essaouira, no sul de Marrocos, para três dias de comunhão de géneros musicais com o eixo de ligação nesta música tradicional com raízes na África subsariana e que assimila músicas espirituais e outros ritmos de Marrocos e da África muçulmana.

É uma combinação de poesia, música e dança, que a cada ano junta, no palco do festival, músicos internacionais a bandas gnaoua.

Carlinhos Brown abriu, a 29 de junho, esta 20.a edição do festival com a sua habitual percussão brasileira e voltaria para o fecho, a 1 de julho.

Ao lado dos irmãos Maâlem Saîd e Mohamed Kouyou, o brasileiro deu outra dimensão à tropicália e, aos microfones da euronews, Carlinhos Brown expressou grande satisfação por ter partilhado o palco com os marroquinos, assumindo ter realizado “um sonho.”

carlinhosbrown</a> Gnaoua do brasil <a href="https://twitter.com/hashtag/gnaoualive?src=hash">#gnaoualive</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Essaouira?src=hash">#Essaouira</a> <a href="https://t.co/WkqqTQmb6D">pic.twitter.com/WkqqTQmb6D</a></p>— Mostafa Kander (KaandiMan) 29 de junho de 2017

Maâlem Mohamed Kouyou também disse ter sido “muito bom” partilhar o palco com o brasileiro. “Tínhamos vindo a ensaiar de forma intensa há dois dias e graças a Deus complementámo-nos muito bem. Estamos agradecidos ao Carlinhos Brown por ter tocado connosco”, referiu o marroquino.

Rehearsals of the incredibles carlinhosbrown</a> and the Maalams Mohamed and Said Kouyou <a href="https://twitter.com/hashtag/gnaoualive?src=hash">#gnaoualive</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/gnaoua20?src=hash">#gnaoua20</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/BEREADY?src=hash">#BEREADY</a> <a href="https://t.co/u1NhmVI1BE">pic.twitter.com/u1NhmVI1BE</a></p>— Festival Gnaoua (gnaouafestival) 28 de junho de 2017

Os “Band of Gnawa” são liderados por Loy Ehrlich, músico, compositor e produtor francês que se apresentou em Essaouira com o seu clássico repertório e tocou alguns clássicos do rock na companhia de Saïd Boulhimas e a respetiva banda gnaoua.

“Quando tinha 21 anos — já lá vão quase 45 — viajei até Marrocos. Descobri a música gnaoua nos anos 70 e ficou-me entranhada. Marcou-me bastante”, assumiu Loy Ehrlich.

Outra das estrelas internacionais que participou este ano no Festival Gnaoua foi Luckly Peterson, um mestre do órgão elétrico Hammon e um dos mais emblemáticos músicos americanos de Blues, Soul, gospel e Rock’n‘Roll.

O norte-americano começou a tocar ainda criança. O pai detinha um clube em Buffalo, nos Estados unidos, onde Lucky atuava e ali foi descoberto quando tinha apenas cinco anos.

Perguntámos a Lucky Peterson já alguma vez tinha tocado música Gnaoua. “Foi a minha primeira vez e gostei. Gostei muito. Tem tudo a ver com Deus, com o amor e com o sentir. Todos temos sentimentos dentro de nós e é daí que a música surge”, disse Lucky Peterson à euronews

O francês Titi Robin é um mestre das misturas étnicas. O ambiente musical onde evolui tem raízes no Mediterrâneo. Robin tocou ao lado de músicos de Marrocos, da Índia e do Paquistão.

“Desde a cultura marroquina e da cultura do sul da França até ao leste do Mediterrâneo e ao norte da Índia foram promovidos muitos intercâmbios de filosofia, de poesia, de música. Essa realidade ganhou uma consciência e é ela que nos leva”, disse Titi Robin à nossa reportagem, depois de ter partilhado o palco com os marroquinos Mehdi Nassouli e Shuheb Hassan, o indiano Murad Ali Khan e o percussionista brasileiro Zé Luís Nascimento.

Sooooo many people here in Essaouira for the #Gnaoua festival pic.twitter.com/1lIOnvaL7e

— alice morrison (@aliceoutthere1) 1 de julho de 2017

O nosso enviado especial a Essaouira, o jornalista da equipa alemã da euronews Wolfgang Spindler, registou que “uma vez mais, nesta 20.a edição, o festival Gnaoua revelou-se um êxito graças à qualidade do cartaz”, tendo cativado “várias centenas de milhares de espetadores de diversas gerações.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Festival Internacional de Música Gnaoua ilumina Marrocos

Festival Internacional de Gnaoua decorre em Marrocos

A Gamesummit 2024 prevê competições emocionantes, espetáculos e debates interessantes sobre jogos