Um Festival que Aquece o Inverno

Um Festival que Aquece o Inverno
Direitos de autor euronews
De  Wolfgang Spindler
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Sochi, na Rússia, há um festival que quebra a fronteira entre géneros e culturas

PUBLICIDADE

Este ano, o Festival Internacional de Artes de Inverno de Sochi apresenta um programa intenso cheio de estrelas internacionais . O violinista e maestro russo, Yuri Bashmet, é o diretor artístico do festival.

Um dos destaques do primeiro dia do festival foi a peça "Don't leave your planet", baseada no “Pequeno Príncipe” de Antoine de Saint-Exupéry. A Orquestra de Câmara de Solistas de Moscovo, dirigida por Yuri Bashmet, apresenta uma obra do compositor russo Kuzma Bodrov. 

euronews

Konstantin Khabensky é um dos actores mais prestigiados da Rússia.

**"É a história de uma pessoa que olha para a vida de uma forma muito espiritual. É uma conversa honesta de uma pessoa para consigo mesma, uma pessoa que está no deserto e no limite entre a vida e a morte".
**

euronews

Pelo festival de Sochi também passou Clara-Jumi Kang. A violinista alemã de ascendência sul-coreana conhece o mastro Yuri Bashmet há muitos anos.

“Cresci com a sua música e ele é uma pessoa adorável. É muito humano, é um grande prazer fazer música com alguém tão afetuosa”.

euronews

David Bruchez, da Universidade de Artes de Zurique, é um dos professores das masterclasses do festival.

“Temos de cantar na nossa cabeça e passar a música para os ossos lábios e para o nosso instrumento. É por isso que estou sempre a cantar. Mesmo quando toco trombone estou a cantar.

O Festival Internacional de Artes de Inverno de Sochi quebra as fronteiras artísticas ao fundir diferentes géneros musicais e formas de arte. O diretor artístico, Yuri Bashmet, promove o diálogo entre as culturas. O prório maestro é o exemplo de que diversos estilos musicais podem conviver e enriquecer uma carreira artística.

euronews

Antes de pensar num percurso na música clássica teve outras aspirações.

**"Quando eu era jovem eram os Beatles. Eu tocava e também tentava cantar, tocava guitarra e tinha uma banda. Tenho ciúmes quando as pessoas tocam jazz muito bem. **

**Tenho ciúmes de ter sido preguiçoso no piano porque não tocava mal". **

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A exposição de Burtynsky na Saatchi Gallery "abre a cortina" sobre o impacto da humanidade na Terra

A floresta foi a inspiração da nova exposição do fotógrafo francês Vincent Munier

"La tête froide", o filme que traz um olhar diferente sobre a migração