EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"There is no evil" estreia na Berlinale

"There is no evil" estreia na Berlinale
Direitos de autor EN
Direitos de autor EN
De  Bruno Sousa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Realizador Mohammad Rasoulof, impedido de deixar o Irão, é o grande ausente

PUBLICIDADE

A 70.ª edição da Berlinale chega ao fim este domingo e a estreia mundial de "There is no evil", o novo filme de Mohammad Rasoulof, assumiu-se como um dos grandes destaques. O realizador iraniano, no entanto, não pôde estar presente.

No verão passado a justiça iraniana considerou-o culpado de "propaganda contra o regime" e "atentado à segurança do país" devido ao filme de 2017, "Um homem íntegro". Foi condenado a um ano de prisão e impedido de deixar o país durante dois anos.

A nova película volta a colocar o dedo na ferida. De acordo com o realizador, "o filme aborda o consentimento da responsabilidade humana pelos cidadãos de um regime despótico. A questão que coloca é: Quando se vive numa ditadura e se é obrigado a tomar uma decisão, até onde estamos dispostos a aceitar a responsabilidade dessa decisão? Ou será que a rejeitamos e a atribuímos à estrutura autoritária do país que nos empurra para essa tomada de decisão?"

Apesar da sentença, o realizador promete continuar e confirma que já se encontra a trabalhar em novos projetos:

"Não têm o direito de me privar da criação artística nem de criar situações que me impeçam de o fazer. Faço o melhor para desfrutar dos meus direitos humanos. É o que tenho feito e o que vou continuar a fazer."

"There is no evil" ainda não tem data de estreia prevista no circuito comercial mas durante o Festival de Cinema de Berlim garantiu um acordo de distribuição para as principais salas da Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os melhores atores da Berlinale

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica