Damien Hirst queimou obras já vendidas

O artista britânico Damien Hirst, durante a exibição "Currency"
O artista britânico Damien Hirst, durante a exibição "Currency" Direitos de autor ISABEL INFANTES/AFP
De  Nuno Prudêncio
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um dos mais cotados artistas do mundo questiona o valor da criptoarte no projeto "Currency"

PUBLICIDADE

Pegar numa obra acabada de criar, vendê-la e queimá-la. Não é o mais comum dos processos criativos mas é aquele que um dos mais cotados artistas do mundo, o britânico Damien Hirst, escolheu fazer na sua galeria de Londres.

Acredito que os NFT são tão importantes quanto a arte física.
Damien Hirst
Artista

"Currency" é um projeto que questiona o valor da criptoarte e dos chamados NFT, que certificam a autenticidade de obras digitais únicas.

"Algumas destas pinturas são NFT, outras são quadros físicos. Qual é que vale mais? Ainda não sei responder. Qual é melhor? Ainda não sei. Mas acredito que os NFT são tão importantes quanto a arte física", afirma o autor.

Hirst colocou à venda 10 mil pinturas com os célebres pontos multicoloridos, por cerca de dois mil euros a unidade. 

Os compradores podiam optar entre ficar com a versão em papel ou no formato NFT. Neste último caso, foram logo avisados que a obra ia desaparecer em chamas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Obra-prima de Bernini no Vaticano alvo do primeiro grande restauro em 250 anos

Martin Scorsese recebeu Urso de Ouro honorário na Berlinale

Ridley Scott pode realizar filme biográfico dos Bee Gees