EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Produção de cereais em França afetada pelas alterações climáticas

 Chuvas intensas provocam perdas de cerca de 20% na produção de cereais
Chuvas intensas provocam perdas de cerca de 20% na produção de cereais Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Este é um dos piores anos de sempre para a produção de cereais francesa. As alterações climáticas estarão na origem deste decréscimo da produção.

PUBLICIDADE

A colheita deste ano foi considerada uma das piores dos últimos anos pelos agricultores franceses, que estão a lutar para manter os seus campos na sequência de tempestades e ventos fortes que destruíram grande parte do seu trigo.

Nicolas Pailloux, presidente da Câmara dos Agricultores de Indre, diz que os agricultores estão a sofrer perdas significativas. "Neste momento, estamos apenas com 5,3 toneladas, quando, num ano normal, deveríamos estar com 7 toneladas", afirma.

Na exploração de Guillaume Lefort, em Larchant (Seine-et-Marne), o crescimento do trigo é desigual. Algumas espigas ainda estão verdes e a colheita começará mais tarde do que o habitual. O agricultor prevê uma perda de 20% em relação a um ano normal.

"Como se pode ver, o solo sofreu com o excesso de água. Vê-se que está um pouco esverdeado, que está bastante fechado, que sufocou um pouco o trigo. Por isso, não se conseguiu desenvolver corretamente", explica o agricultor.

Os agricultores estão a tentar adaptar-se às alterações climáticas, mas dizem que é difícil, uma vez que estas são imprevisíveis.

No total da produção cerealífera francesa, estimam-se perdas na ordem dos 13%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE propõe alargar o comércio com a Ucrânia, mas com restrições na agricultura

Países anunciam milhares de milhões de euros na COP28 para apoiar agricultura

A agricultura industrial está a alimentar uma "pandemia silenciosa". O que fazer para o evitar?