EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

A agricultura industrial está a alimentar uma "pandemia silenciosa". O que fazer para o evitar?

O uso de antibióticos na criação de animais está a criar um forte risco para a saúde humana
O uso de antibióticos na criação de animais está a criar um forte risco para a saúde humana Direitos de autor AP Photo/John Locher, File
Direitos de autor AP Photo/John Locher, File
De  Nichola Daunton
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A resistência antimicrobiana (RAM) poderá causar 10 milhões de mortes por ano até 2050. Os especialistas apontam várias formas de travar este fenómeno de alto risco.

PUBLICIDADE

A resistência antimicrobiana (RAM) poderá causar 10 milhões de mortes por ano até 2050. Eis o que pode ser feito para o evitar.

À medida que o mundo recupera da COVID-19 e a gripe aviária dizima as aves selvagens e de criação, a ligação entre a produção alimentar e o risco de pandemia nunca foi tão clara.

Desde as doenças zoonóticas (as transmitidas entre animais e seres humanos, através de contacto direto ou indireto) até à resistência antimicrobiana (RAM), os nossos sistemas alimentares industriais estão a criar um terreno fértil para vírus e bactérias.

Embora a invasão dos habitats selvagens esteja a provocar alguns fenómenos de alastramento, com vírus que se propagam diretamente dos animais para os seres humanos, muitos dos vírus que atualmente suscitam preocupação, como a gripe das aves, estão a ser exacerbados pela criação em fábricas e pelas condições de proximidade e de espaço reduzido em que os animais são mantidos.

De que forma é que o nosso atual sistema alimentar está a aumentar a probabilidade de uma nova pandemia? E o que pode ser feito para reduzir o risco?

Resistência antimicrobiana: A pandemia silenciosa

Muitas vezes referida como "a pandemia silenciosa", de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a resistência antimicrobiana ocorre quando bactérias, vírus, fungos e parasitas evoluem para resistir aos antibióticos utilizados para os tratar. Esta resistência torna as doenças muito mais difíceis de tratar e aumenta o risco da sua propagação.

A RAM pode ocorrer quando os antibióticos são utilizados em excesso, uma vez que as bactérias que desenvolvem resistência são capazes de se multiplicar. A administração de antibióticos em doses baixas também pode levar à RAM, uma vez que as bactérias que estão a ser tratadas não são destruídas e podem desenvolver resistência.

"Se algumas das bactérias desenvolveram resistência", explica Cóilín Nunan, conselheiro científico da Alliance to Save Our Antibiotics, " essas bactérias não são afetadas pelo antibiótico e podem continuar a proliferar, espalhando-se de humano para humano, ou de animal para animal, ou de animal para humano".

Como é que os antibióticos são utilizados na agricultura?

O primeiro antibiótico, a penicilina, foi descoberto por Alexander Fleming em 1928. No seu discurso de entrega do Prémio Nobel, em 1945, Fleming alertou para os riscos da administração de doses baixas do medicamento. No entanto, apenas quatro anos mais tarde, cientistas norte-americanos descobriram que a administração de doses baixas de antibióticos aos animais promovia o crescimento e a utilização de antibióticos.

Os antibióticos foram também utilizados em grande escala para prevenir doenças em animais saudáveis, muitas vezes em resultado de más condições de higiene e de sobrelotação, como explica Cóilín.

"Os sistemas alimentares recorrem muitas vezes ao uso excessivo e rotineiro de antibióticos, sobretudo quando os animais são criados de forma muito intensiva, porque as doenças podem propagar-se muito mais facilmente. Quando os animais são mantidos em ambientes fechados em grande número, as doenças propagam-se de forma muito semelhante à forma como se propagam nos seres humanos".

Embora a UE tenha proibido a utilização de antibióticos para promover o crescimento em 2006, estima-se que 66% de todos os antibióticos utilizados continuam a ser administrados a animais de criação e não a seres humanos. A maior parte da resistência aos antibióticos está ligada à utilização humana, como salienta Cóilín.

"A maior parte da resistência aos antibióticos na medicina humana deve-se, de facto, ao uso humano de antibióticos. No entanto, há provas claras de que a utilização de antibióticos nas explorações agrícolas também está a contribuir, não só para a resistência aos antibióticos nos animais de criação, mas também para as infeções nos seres humanos".

Como é que a utilização de antibióticos nas explorações industriais afeta a saúde humana?

"Quando os animais são alimentados com antibióticos, algumas das bactérias podem desenvolver resistência e acabar por ter bactérias resistentes nas suas entranhas", explica Cóilín, prosseguindo: "Depois, no abate, algumas das bactérias acabam por contaminar a carcaça e quando a carne é manuseada, ou se for comida mal cozinhada, as bactérias que ainda estão vivas podem espalhar-se para os seres humanos e causar infeções resistentes".

Embora esta seja uma forma direta de transmissão, as bactérias também podem entrar no sistema alimentar de formas menos diretas. Os animais de criação excretam antibióticos através da sua urina, que depois acaba em chorume - gordura que exsuda da carne de um animal- e estrume. Este estrume é depois espalhado em terrenos agrícolas, para ajudar a fertilizar as culturas, "pelo que se pode acabar por ter bactérias resistentes nas culturas, algumas das quais são comidas cruas", diz Cóilín.

No entanto, graças à pressão de grupos como a Aliança para Salvar os Nossos Antibióticos, a mudança está a começar a acontecer. Em janeiro de 2022, a UE proibiu todas as formas de utilização rotineira de antibióticos nas explorações agrícolas, incluindo os tratamentos preventivos de grupo. A utilização de antibióticos para compensar a má criação - reprodução e cuidados - ou a falta de higiene também foi proibida.

"Em teoria, trata-se de uma posição muito radical", diz Cóilín, "porque uma grande parte da utilização de antibióticos é, de facto, para compensar a falta de higiene e de criação. "Quando se tem 30.000 ou mesmo 50.000 frangos num pavilhão e cada frango tem menos do que uma folha de papel A4 em termos de espaço, é inevitável que a higiene seja muito má".

No Reino Unido, está atualmente a ser preparada legislação semelhante. Embora o governo britânico esteja a planear adoptar muitas das mesmas leis que a UE, há preocupações de que alguns aspctos-chave sejam deixados de fora.

A boa notícia é que a utilização de antibióticos nas explorações agrícolas do Reino Unido diminuiu 55% desde 2014, embora a utilização de antibióticos na aquicultura esteja, infelizmente, a aumentar.

PUBLICIDADE
Michael Macor/San Francisco Chronicle
A proliferação dos vírus é exacerbada pela agricultura industrial e pelas condições em que os animais são mantidos.Michael Macor/San Francisco Chronicle

O que é que precisa de mudar?

Em última análise, diz Cóilín, uma melhor criação de animais é a solução para a dependência excessiva da agricultura em relação aos antibióticos.

"Há um vasto leque de melhorias que podem ser feitas, como reduzir a densidade de animais por metro quadrado, dar mais espaço aos animais, melhorar a higiene e desmamar os leitões quando são um pouco mais velhos, para que estejam menos stressados e as suas bactérias intestinais estejam mais desenvolvidas".

Estas mudanças são cruciais para o controlo da RAM. Atualmente, prevê-se que a RAM cause 10 milhões de mortes por ano até 2050, e em 2015 foram encontradas nas explorações britânicas bactérias resistentes ao antibiótico de último recurso, a colistina.

"Algumas destas mudanças na criação de animais serão necessárias se a lei for respeitada e se quisermos proteger os antibióticos, porque temos de ter em conta que a resistência aos antibióticos tem um custo enorme", afirma Cóilín.~

E as doenças zoonóticas?

Embora a RAM seja uma ameaça crescente, quase todas as pandemias recentes foram causadas por zoonoses, explica Melissa Leach, Diretora do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento.

PUBLICIDADE

"Os nossos ctuais sistemas alimentares estão a tornar-nos vulneráveis à propagação de doenças que são albergadas por animais e que correm o risco de afctar as pessoas".

Embora possa ser difícil identificar o evento exato de propagação - como a COVID-19 provou - existem geralmente três vias principais através das quais as doenças podem ser transferidas das populações animais para as populações humanas, tanto directa como indirectamente.

Perda de habitat e de biodiversidade

A destruição de habitats selvagens e a perda de biodiversidade podem levar os animais a invadir espaços humanos para encontrar alimento ou abrigo.

Nas circunstâncias certas, isto pode levar à transmissão direta de vírus da vida selvagem para os seres humanos, "que é o que algumas pessoas pensam que vimos com a doença do vírus Ébola, por exemplo, ou o vírus Nipah, que tem sido um grande problema no Sudeste Asiático", diz Melissa.

"Isto acontece realmente quando há perda de biodiversidade. Podemos acabar com paisagens muito empobrecidas e os tipos de animais que restam são frequentemente os que partilham vírus com as pessoas".

PUBLICIDADE

Com a biodiversidade global a cair a um ritmo alarmante - houve um declínio de 69% nas populações de espécies desde 1970, de acordo com o Relatório Planeta Vivo 2022 da WWF - é provável que a situação se agrave se os habitats não forem restaurados.

Sistemas industriais de criação de gado

No entanto, talvez um dos maiores vetores de doenças seja o atual sistema de criação de gado. A forma como os animais são amontoados, muitas vezes com pouco espaço individual e com fraca circulação de ar, faz com que as explorações pecuárias industriais sejam o terreno perfeito para a propagação de doenças.

"A criação de animais em grande escala e de alta intensidade, produzida para reduzir os preços da carne a nível mundial, deixou-nos vulneráveis a todo o tipo de doenças", afirma Melissa. "Os próprios animais tornam-se mais suscetíveis aos vírus porque estão em locais muito próximos e têm frequentemente uma diversidade genética muito baixa", explica.

Quaisquer doenças que se desenvolvam correm o risco de passar para os trabalhadores agrícolas, explica Melissa, e podem propagar-se aos animais selvagens hospedeiros nos mercados locais, antes de afetarem as populações humanas, como alguns acreditam que aconteceu com a COVID-19.

Rotas comerciais

Embora as explorações industriais possam atuar como terreno fértil para os agentes patogénicos, as rotas comerciais de alimentos podem rapidamente espalhá-los por todo o mundo. As rotas comerciais ocorrem frequentemente em distâncias muito longas, com os animais confinados e muito próximos.

PUBLICIDADE

"É parte da razão pela qual os micróbios se tornaram tão móveis e porque existe o risco de um alastramento e de um surto num local se propagar e afetar todo o mundo", diz Melissa Leach.

Como nos podemos proteger de futuras pandemias?

Embora Melissa acredite que outra pandemia é inevitável, considera que a preparação é fundamental para proteger a sociedade dos piores efeitos.

"Temos de nos certificar de que todos os países dispõem de um sistema de proteção social realmente bom, que possa ser mobilizado para prestar assistência alimentar e assistência em dinheiro se houver outra pandemia grave", defende.

"O meu argumento é que transformar os sistemas alimentares para que sejam mais resistentes à pandemia implica também transformar as relações de poder. E isso não é fácil. É preciso pressão de todos os lados e é preciso um compromisso de reforma a partir de cima".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

'Liberdade individual' vs 'bem comum': Zonas de baixas emissões mostram o impacto da UE na nossa vida quotidiana

Apenas sete países respiram ar considerado limpo. Três deles situam-se na Europa

Das inundações aos incêndios: Como verificar se uma casa é resistente ao clima