EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A vida privada na Internet

A vida privada na Internet
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Proteger os dados pessoais nunca foi tão importante como agora, numa época em que somos confrontados com a ameaça crescente do cibercrime e do roubo de identidade.

Muitos pensam que perdemos o controlo sobre quem sabe o quê acerca de nós próprios na Internet. Atualmente até a nossa localização física pode ser seguida.

A noção de privacidade mudou com a chegada das redes sociais. Mas o que acontece afinal com toda essa informação?

O estudante austríaco Max Schrems partiu à descoberta. Foi surpreendido quando o Facebook concordou enviar-lhe 1200 páginas de dados que tinham sobre ele, incluindo material que o próprio Max apagara há bastante tempo.

O estudante apresentou 22 queixas ao Comissário de Proteção de Dados de Dublin, onde a Facebook tem a sede europeia e onde já está prevista uma audiência.

“Tinham muita informação detalhada. Por exemplo, mensagens que já tinha apagado. E procurando por palavras, por exemplo, os partidos políticos que existem na Áustria poderiam saber numa fração de segundos em quem votei, com que partido é que simpatizo, porque falei sobre isso em chats privados com outras pessoas.

Toda essa informação foi ou pode ser guardada durante três, quatro, cinco, ou até, quem sabe, dez anos.

É uma novidade, que uma empresa possa guardar toda essa informação sobre um utilizador. E penso que o processo não é feito de forma transparente, que não se comunica ao utilizador de uma forma a que perceba que isso é feito”, explica Max Schrems.

Como resultado da investigação em Dublin, a Facebook concordou em realizar uma série de mudanças em conformidade com as normas de privacidade. No entanto, a empresa também explicou o ponto de vista, pela voz de Richard Allan: “Somos um serviço no qual as pessoas, de forma voluntária, revelam informação. Publicam coisas na nossa página, perfeitamente conscientes do que estão a fazer, porque contamos com uma política sobre dados do utilizador muito completa e com informação muito clara na Internet sobre o que o utilizador vai partilhar e com quem o vai fazer.

Depois, contamos com opções que permitem às pessoas apagar informações que já não querem mostrar no seu perfil.

Acreditamos que o nosso serviço cumpre absolutamente com as normas de proteção de dados da União Europeia. O que se fez na Irlanda foram sugestões de algumas áreas nas quais podemos ser ainda mais efetivos do que na atualidade.”

O caso continua. Ambas as partes vão manter um diálogo frente-a-frente e as autoridades irlandesas estão a ser pressionadas para que se pronunciem oficialmente sobre as queixas.

As sondagens mostram que mais de 70% dos europeus se manifestam preocupados com o que acontece com os dados disponíveis na Internet.

Bruxelas propõe uma reforma da regulação atual, introduzida há 17 anos, o que estimulou o debate.

As mudanças pretendem incluir uma normativa comum para a UE, multas mais pesadas para os incumprimentos, solicitação de maior consentimento e de mais opções para apagar coisas, incluindo o chamado “direito de ser esquecido”.

Os utilizadores também poderiam ter um acesso mais fácil aos seus dados e o direito de transferi-los de um servidor para outro.

As associações de utilizadores receberam o plano de braços abertos, mas com a devida cautela.

“Em princípio, aprovaria essas normas porque são altamente necessárias. A questão crucial é saber como serão implementadas. Também há outros problemas menores, sobre os quais ainda não está claro como poderão vir a ser regulados. Mas isto é algo que será tratado no quadro das diferentes consultas planificadas”, explica Falk Lueke, da Digital Society.

Principales proposiciones de reformas sobre privacidad:

  • – Acess más sencillo para los usuarios a sus propios datos privados

  • – Transferencia más sencilla de los datos de un proveedor a otro

    • El “derecho a ser olvidado”, haciendo más fácil borrar los datos
  • – Requerir que las páginas web mantengan los datos de forma privada por defecto

    • Una normativa común en la UE y mayores multas para los incumplimientos

Simon Davies, da Privacy International, acrescenta: “Algumas das mudanças são há muito aguardadas e bastante necessárias. Em alguns aspetos não são suficientes, porque na Europa a privacidade está baseada na confiança. Não importa o quanto a Comissão Europeia insiste para melhorar a privacidade. Se a indústria e o Governo não estão dispostos a aceitá-lo, poderemos terminar mesmo assim numa sociedade vigiada.”

No entanto, Bruxelas insiste que as agências nacionais de proteção de dados poderão ter mais poderes e os cidadãos contar com um maior envolvimento.

A Google também foi questionada por causa da política de privacidade. Não estiveram disponíveis para uma entrevista, mas fizeram chegar um comunicado oficial, dizendo que apoiam a “simplificação das normas na Europa para proteger os consumidores na Internet e estimular o crescimento económico e que é possível ter normas simples que façam ambas as coisas.”

E em relação ao tratamento automático de perfis, reunindo, por exemplo, dados para oferecer publicidade adaptada?

Ou os perfis usados para seguir as pessoas suspeitas de infringirem a lei?

“Algumas pessoas dizem que se tratam de decisões erróneas ao interpretar os dados, porque se baseia em perfis gerados de forma automática, com o risco de que se gerem identidades ao engano, de que se considere alguém como terrorista, prendendo e até em casos extremos torturando a pessoa.

Mas no Conselho da Europa acreditamos que não se trata apenas de casos extremos de discriminação, mas também de que é um direito, o direito que temos todos a controlar os nossos dados”, diz Jörg Polakiewicz, do Conselho da Europa.

No entanto, uma empresa cujos produtos são usados para traçar perfis reconhece que a tecnologia em si não é o problema.

John Boswell, vice-presidente da SAS data analysis, explica: “Julgamos que a UE deveria centrar-se em que se tomem decisões unicamente acertadas, sem se centrar no modo como são tomadas essas decisões ou sobre qual a tecnologia usada. Ninguém está a favor da discriminação nem da tomada de decisões erróneas. Se as decisões se tomam de maneira pessoal ou usando um computador, não importa. Por isso, penso que centrar-se apenas no tratamento automático de perfis não é a direção correta.”

Alguns peritos acreditam que a maior ameaça à nossa privacidade no futuro é o rápido desenvolvimento dos sistemas de localização através de dispositivos móveis, que detetam e memorizam a nossa localização exata.

Por agora, as perguntas sobre consentimento e sobre quem pode aceder, partilhar e armazenar os dados sobre a nossa localização continuam sem resposta.

Alguns peritos consideram que a presença em alguns lugares, como hospitais ou tribunais não dever ser passível de rastreio.

Além disso, as opções de configuração nem sempre são claras.

“Um problema fundamental tem a ver com o uso das tecnologias de proteção de privacidade. Não é possível imaginar que o utilizador esteja a configurar continuamente o smartphone ou o tablet cada vez que descarrega uma nova aplicação, porque o número de aplicações é infindável”, clarifica Maria Luisa Damiani, da Universidade de Milão.

Mas, as preocupações com a privacidade na Internet não significam que tenhamos de deixar de usá-la.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa: Para que conta o nosso voto?

A internet tem um Big Brother?

Clientes satisfeitos