EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Parlamento Europeu aprova recolocação de mais 120 mil refugiados

Parlamento Europeu aprova recolocação de mais 120 mil refugiados
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Num sinal de apoio à proposta da Comissão Europeia, divulgada há uma semana pelo presidente Jean-Claude Juncker, o Parlamento Europeu votou, esta

PUBLICIDADE

Num sinal de apoio à proposta da Comissão Europeia, divulgada há uma semana pelo presidente Jean-Claude Juncker, o Parlamento Europeu votou, esta quinta-feira, a favor da criação de um mecanismo para recolocar mais 120 mil refugiados pelos Estados-membros.

A moção reuniu 372 votos a favor, 124 contra e 54 abstenções. Na prática, pretende aliviar-se a pressão migratória exercida sobre países como a Grécia, Itália e Hungria, que se encontram na chamada “linha da frente.”

Antes da votação, colocada de forma extraordinária na agenda parlamentar, o vice-presidente do executivo comunitário, Frans Timmermans, apelou à aprovação: “Não estamos a defender a abertura de todas as fronteiras. Defendemos a atuação com consciência em vez de dizer às pessoas que fogem à guerra e a perseguições para ficarem longe do litoral europeu.”

No Parlamento Europeu, os conservadores britânicos votaram contra. O eurodeputado Ashley Fox explica: “Não acreditamos que abrir as portas da Europa a qualquer pessoa que chegue à fronteira seja o método correto de ajudar. Também consideramos errado, por uma questão de princípio, que a União Europeia ordene aos Estados-membros a aceitação de pessoas nos respetivos países contra a vontade.”

As atenções estão agora concentradas no conselho extraordinário de ministros do Interior e da Justiça de 22 de setembro, de onde pode sair um acordo sobre o plano da Comissão Europeia, caso se supere a oposição do grupo de países do leste europeu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Falta financiamento e ação política para gerir inundações na UE

Anúncios de extrema-direita para as eleições europeias inundam as redes sociais

Bruxelas tem na calha mais seis parcerias no domínio da defesa