EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bruxelas: Ministros europeus tentam acordo sobre recolocação de refugiados

Bruxelas: Ministros europeus tentam acordo sobre recolocação de refugiados
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

À procura de um consenso para superar o impasse gerado com a crise migratória no velho continente, os ministros europeus dos Assuntos Internos voltam

PUBLICIDADE

À procura de um consenso para superar o impasse gerado com a crise migratória no velho continente, os ministros europeus dos Assuntos Internos voltam a reunir-se, esta terça-feira, em Bruxelas.

Na chegada ao encontro, o ministro dos Assuntos Externos, Europeus, da Imigração e Asilo do Luxemburgo, país que assume a presidência rotativa da União Europeia, deixou antever a possibilidade de se ultrapassarem divergências entre Estados-membros.

“Existe um texto em cima da mesa que deverá gerar consenso. Queremos chegar a acordo para a distribuição de 120 mil refugiados. Isso é o mais importante”, sublinhou Jean Asselborn.

O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, também alertou, na chegada à reunião, para a importância de um diálogo conjunto, perante a resistência de países do leste europeu: “É preciso ser bastante claro, temos de dominar o fluxo de migrantes. Não podemos acolher bem se enviamos um sinal de que podemos acolher todas as pessoas de uma vez só.”

Antes de arrancar a reunião dos ministros, uma antecâmara da cimeira extraordinária de líderes europeus desta quarta-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, apelou à “reponsabilidade moral” da Europa e insistiu que a luta contra as causas da crise exige que se coloque termo à guera na Síria.

Sándor Zsíros, euronews – “Se os ministros chegarem a acordo sobre a recolocação de 120 mil refugiados, os chefes de Estado e de Governo da União Europeia terão o caminho aberto para decidir sobre o controlo de fronteiras e o apoio a países do Médio Oriente mais pressionados pela crise.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que são os chamados 'hotspots' ?

Quanto é que os eurodeputados recebem?

Ucrânia: desminagem nas linhas da frente deve demorar 12 anos