NATO lança missão naval para combater tráfico de refugiados

NATO lança missão naval para combater tráfico de refugiados
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A NATO respondeu afirmativamente aos pedidos de apoio vindos dos governos da Alemanha, da Turquia e da Grécia e um agrupamento naval vai deslocar-se

PUBLICIDADE

A NATO respondeu afirmativamente aos pedidos de apoio vindos dos governos da Alemanha, da Turquia e da Grécia e um agrupamento naval vai deslocar-se para o Mar Egeu com o objetivo de ajudar a travar, entre outras coisas, redes de tráfico de migrantes e refugiados.

Depois de uma reunião dos ministros da Defesa da Aliança Atlântica, reunidos esta quinta-feira, em Bruxelas, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, precisou que as embarcações vão operar em coordenação com navios militares gregos, turcos e com os meios da agência europeia de controlo de fronteiras, Frontex: “Como parte do acordo, as Forças Armadas da Grécia e da Turquia não irão operar nas águas territoriais ou no espaço aéreo um do outro.”

O pedido de ajuda coletiva para o combate da maior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial provocou inicialmente surpresa. Dos Estados Unidos, pela voz do secretário norte-americano da Defesa, Ashton Carter, chegou a mensagem de apoio ao plano: “Neste momento existe uma corporação criminosa que explora pessoas pobres. Trata-se de uma operação organizada e visá-la é a forma de atingir o maior efeito na dimensão humanitária.”

Andrei Beketov, euronews – “A NATO ressalva que a missão se limitará à recolha de informação. A Aliança Atlântica não quer ver soldados ou marinheiros a escoltar famílias em centros de refugiados. O secretário-geral não respondeu se resgatariam embarcações a afundar-se.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Avramopoulos: "Regressar às políticas nacionais é prejudicial para o projeto europeu"

Política da UE. Parlamento Europeu terá novas regras mas há poucas mudanças para as mulheres

Líderes da UE sob pressão de Zelenskyy para reforçar as defesas aéreas da Ucrânia