EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"A Europa pode ser um fator de vitória numa eleição"

"A Europa pode ser um fator de vitória numa eleição"
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os resultados das votações, este fim-de-semana, na Áustria e na Itália, enviaram uma mensagem contraditória à Europa. Para debater este tema, o correspondente da euronews em Bruxelas, Grégoire Lory, e

PUBLICIDADE

Duas votações enviaram uma mensagem contraditória, este fim-de-semana, na Europa.

Os austríacos elegeram um Presidente ecologista, pró-europeu; enquanto que os italianos rejeitaram a reforma constitucional proposta pelo primeiro-ministro, que decidiu demitir-se.

Para debater este tema, o correspondente da euronews em Bruxelas, Grégoire Lory, entrevistou André Sapir, analista político do Instituto Bruegel.

Grégoire Lory/euronews (GL/euronews): Com estes resultados, sobretudo a vitória do candidato ecologista na Áustria, foi evitado o pior cenário que pairava sobre estes escrutínios?

André Sapir/analista político (AS/analista político): Absolutamente. Algumas pessoas, inclusive eu, temíamos que fossem duas votações de sentido negativo: tanto na Áustria como na Itália. O resultado da votação austríaca foi um grande alívio.

Na Itália, o resultado era mais esperado. Mesmo que ainda seja um choque, é um choque menor. E pudemos ver como se comportaram os mercados financeiros, que não reagiram muito mal. Por isso, havia alguma antecipação de que este poderia ser o resultado.

GL/euronews: Face a estas duas votações em países da zona euro, entrou-se num novo período de incerteza?

AS/analista político: Diria que no caso da Áustria, não. É até o oposto. O que aconteceu na Áustria mostra um contraste com o que se tem sido discutido, nas últimas semanas, sobre o Brexit e como poderia contagiar países como a Holanda e a Dinamarca, onde há muito euroceticismo.

Vemos que a opinião pública austríaca mudou um pouco e que, mesmo que seja cética, não está disposta a ir tão longe quanto a opinião pública do Reino Unido. A União Europeia continua a ser uma base importante para a população, mesmo que se sinta insatisfeita com ela.

Penso que a melhor notícia – que espero seja também uma lição em campanhas futuras – é poder dizer-se que a Europa pode estar no centro da campanha e ser um fator de vitória nessa eleição.

O problema italiano não está tão relacionado com o que se passou no Brexit, não está associado a um sentimento de rejeição da Europa, mas deve-se mais a um mal-estar que existe em Itália, há muitos anos, face a um baixo crescimento económico que impede a resolução de vários problemas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Temos de fechar os céus de Kharkiv", diz Presidente da Câmara

França: extrema-direita quer maioria absoluta nas legislativas antecipadas

Secretário-Geral da NATO diz que China pode enfrentar sanções por ajudar a Rússia