This content is not available in your region

Eurodeputados aprovam pedido de regulação dos robôs

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva
Eurodeputados aprovam pedido de regulação dos robôs

O robô Zora é uma espécie de auxiliar dos terapeutas no Hospital Geral de Oostende, na Bélgica. Mas estes humanóides poderão vir a substituir as pessoas em muitos empregos do futuro.

A Federação Internacional de Robótica estima que existirão 11 milhões em 2019.

“É muito simpático, cria um bom ambiente”, diz um dos pacientes.

Zora é seguro porque é controlado remotamente, refere a terapeuta Daphne Wyffels, explicando que “usamos o tablet para que a máquina faça apenas o que queremos. Há uma câmera no interior que permite a Zora olhar para os pacientes, mas nunca fazemos nenhuma gravação”.

Os robôs de uso industrial também estão em grande crescimento e é na União Europeia que estão a maioria dos países que ultrapassa a média de um robot por cada 10 mil trabalhadores.

A correspondente da euronews, Isabel Marques da Silva, refere que “alguns políticos culpam o comércio livre e a imigração pela perda de empregos, mas é a automatização que está a mudar o mercado de trabalho. De acordo com o Banco Mundial, até dois terços dos empregos na indústria manufatureira poderão passar para robôs, no futuro”.

O Parlamento Europeu (PE) aprovou, esta quinta-feira, uma iniciativa legislativa que solicita novas regras para a robotização.

A ideia é regular os impactos, nomeadamente no emprego, na fiscalidade e nas políticas de segurança social.

A eurodeputada socialista luxemburguesa Mady Delvaux, relatora do projeto, considera que “é preciso acompanhar o que está a acontecer no mercado de trabalho. Que tarefas estão a ser transferidas para os robôs?”.

“Se houver cada vez menos trabalho, teremos de refletir sobre outras fontes de financiamento. Não iremos tributar os robôs, mas tributar o trabalho dos robôs é algo sobre o qual se pode refletir”, acrescentou.

A proposta do PE também solicita regras de segurança, responsabilidade e privacidade, incluindo um Código de Conduta Ética e a criação de uma Agência Europeia de Robótica.

O co-fundador da Zorabots, que criou “Zora”, é a favor de mais legislação, num diálogo com as empresas inovadoras.

Tommy Deblieck afirmou que “a tecnologia está a evoluir muito rapidamente e os governos não acompanham esse progresso. Deve haver um código de conduta ética respeitado por todos e que possa ser alterado com o contributo de todos”.

Os deputados consideram que, a longo prazo, poderá até ser criado o estatuto jurídico de “pessoas eletrónicas” para os robôs autónomos mais sofisticados.