EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Cimeira da NATO: Trump insistirá em maior empenho europeu

Cimeira da NATO: Trump insistirá em maior empenho europeu
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com Lusa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Embora com obras ainda por acabar, a nova sede da NATO será inaugurada, esta quinta-feira, em Bruxelas, durante a cimeira de líderes que discutirá, sobretudo, o aumento do investimento em defesa e a l

PUBLICIDADE

Embora com obras ainda por acabar, a nova sede da NATO será inaugurada, esta quinta-feira, em Bruxelas, durante a cimeira de líderes que discutirá, sobretudo, o aumento do investimento em defesa e a luta anti-terrorimo.

“Os terroristas atacaram novamente, esta semana, em Manchester. Foi um ataque bárbaro, que deliberadamente visou crianças, jovens e as suas famílias”, disse Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, na véspera da reunião.

“É por isso que um dos dois principais tópicos que vamos discutir, amanhã, é como é que a NATO pode intensificar os seus esforços de modo a contribuir para a luta anti-terrorismo”, acrescentou Jens Stoltenberg.

A NATO é uma organização que o novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apelidou de “obsoleta”, tendo depois mostrado-se mais conciliador.

Participante na cimeira pela primeira vez, Trump pede aos europeus que respeitem a meta de gastar 2% do PIB em defesa, e estes prometem fazer esse esforço.

“Uma União Europeia mais forte no domínio da segurança e da defesa torna a NATO mais forte e uma NATO mais forte é fundamental para a segurança europeia, mas também para a segurança norte-americana”, disse Federica Mogherini, chefe da diplomacia da União Europeia.

O governo português, representado pelo primeiro-ministro, António Costa, ainda não cumpre esta meta e espera que não haja “demasiada insistência” na questão orçamental.

Mas não há como fugir a essa pressão que já tem alguns anos, segundo o analista político Roberto Castaldi: “A relação dos Estados Unidos com a União Europeia começou a mudar já com o Presidente Obama”.

“Houve uma mudança de prioridade no sentido do Pacífico. E este vazio de poder deixado pelos norte-americanos foi um das condições que permitiram à Rússia invadir a Crimeia e que levou, também, à desestabilização no Médio Oriente e no Norte de África. Trump só está a acelerar essa tendência, o que coloca mais pressão sobre os europeus para estabilizar a sua vizinhança e para preencher o vazio de poder deixado pelos norte-americanos”, acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Competitividade jurídica em foco na reunião informal dos ministros da Justiça da UE

Descida alarmante do nível da água na barragem de Messara, em Creta

Novo estudo revela que cruzeiros poluem mais do que aviões e carros